9 – A Salvação

publicado em:16/11/09 10:57 PM por: Kamila Azevedo Cinema

Quando se dá conta de que tem vida correndo dentro de si mesmo, o boneco 9 (dublado por Elijah Wood) começa a enfrentar o mundo. O grande porém, nessa história, é que a realidade que 9 irá conhecer é pós-apocalíptica, na medida em que os seres humanos foram dizimados por completo por máquinas destrutivas que caracterizam mais um caso em que a tecnologia criada e desenvolvida pelo homem se volta contra ele mesmo. 

A animação “9 – A Salvação”, do diretor Shane Acker, coloca o foco justamente no olhar do personagem principal sob esse mundo, os segredos que ele guarda e os caminhos tortuosos que ele deve evitar. Neste sentido, o filme tem uma certa riqueza, pois 9 encara tudo com um olhar sem contaminação por pensamentos anteriores, fato que o coloca em conflito direto com os membros de uma pequena comunidade de seres como ele, os quais preferem viver escondidos a enfrentar as máquinas exterminadoras que ainda ficam vagando por aí em busca deles. 

Apesar de ser um longa no gênero de animação, “9 – A Salvação” não é uma obra recomendada para as crianças. O roteiro escrito por Pamela Pettler trata de temas bastante espinhosos como a covardia diante das situações que nos causam medo, a coragem para enfrentar os elementos de autoridade da sociedade, a importância de se questionar aquilo que nos é mostrado e a necessidade de se conhecer profundamente tudo com o que entramos em contato (até mesmo para nos posicionar de forma correta diante disso). 

Produzido por gente do porte de Tim Burton e do russo Timur Bekmambetov, “9 – A Salvação” seria uma animação excelente se não fosse por um pequeno detalhe: em vários momentos o que vemos em tela nos lembra o que assistimos em uma obra chamada “Wall-E”. Desde o uso de uma clássica canção de um musical, passando pelos bonequinhos como último resquício da humanidade até chegar ao tipo de relacionamento que nasce entre os seres similares à 9. Custava pedir um pouco de originalidade a um filme cheio de idéias interessantes? 

Cotação: 7,0

9 – A Salvação (9, 2009)
Diretor: Shane Acker
Roteiro: Pamela Pettler (com base na história de Shane Acker)
Com as vozes de: Christopher Plummer, Martin Landau, John C. Reilly, Crispin Glover, Jennifer Connelly, Elijah Wood



Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Kamila,
eu também esperava mais do filme. Mas você resumiu tudo acabamos de ver Wall-E!

Bjos

Responder

Desde que vi o trailer fiquei ansioso para assistir essa animação.
Mas quando entrou em cartaz, a crítica ficou bem dividida. Mesmo assim quero assistir.

Responder

André, exatamente! Beijos!

Cleber, mas é um filme até interessante. Beijos!

Ibertson, assista!

Responder

Ainda não vi 9 – A salvação. Para ser franco, apesar dos nomes de Tim Burton e Bekmambetov, não me entusiamei a ir ao cinema conferir o longa. vou deixar para quando passar na tv por assinatura. Inadvertidamente, sua critica corrobora minhas suspeitas. Contudo, cinéfilo que sou, verei o filme. Mas confesso, mais como uma imposição pessoal do que por vontade. (Momento confessionário rsrs )
Bjs

Responder

Reinaldo, eu também assisto a vários filmes como imposição pessoal! Coisas de cinéfilos. Beijos!

Responder

Ah, vacilei! Ainda não vi 9… Mas parece que ninguém se entusiasmou com o filme…

Bjs!

Responder

Otavio, esse foi o tipo de filme, na realidade, que passou totalmente despercebido nos cinemas. Beijos!

Responder

Pois é. A falta de originalidade foi o maior defeito desse filme que tinha tudo de bom: produção, diretor e dublagem. O problema foi a falta de idéias.

Responder

Não me interessei por esse filme e nem lendo críticas sobre ele me faz querer ir aos cinemas. E você disse sobre o roteiro não ser para crianças, muitas animações são assim, Madagascar fala constantemente sobre ideologia, divisão de classes, etc.

Ótima crítica Kamila.
Abraço.

Thiago @thiagoomb

Responder

João Paulo, então, de qualquer forma, verás o filme. 🙂 Beijos!

Luís, exatamente!

Thiago, eu acho que “Madagascar” é um filme totalmente direcionado ao público infantil. Nunca pensei nele dessa outra forma. Abraço e obrigada!

Responder

Sua comparação com ‘Wall-E’ é interessante, não tinha reparado. Mas acho que 9 toca em outros assuntos que também criam dependências aos humanos.

Responder

Cassiano, eu só vim saber disso quando assisti ao filme!

Thiago, obrigada pelo link. Vou te adicionar!

Pedro Tavares, exatamente!

Responder

Ahh, que pena..=
Tava esperando mais do filme, mas parece que ninguém gostou muito. E nem estreou por aqui ainda.

Beijo Kamila!

Responder

Victor, como eu disse mais em cima, este filme passou completamente despercebido nos cinemas. Beijos!

Responder

Anexando grandes nomes como Tim Burton e Timur Bekmambetov para um filme de animação é uma forma inteligente de chamar o público. Adicionar estrelas como Elijah Wood, C. John Reilly, Jennifer Connelly e Christopher Plummer a voz dos personagens, e o filme pode apenas quebrar a bilheteria. O stitchpunks são pequenas criaturas feitas de saco de estopa com os olhos da câmera de íris e um fecho de bronze gigante atravessando sua barriga, que se abre para encontrar acessórios incalculável e habilidades reveladas ao longo do filme. Cada superfície texturizada é minuciosa, o filme parece tão real, o público pode chegar a quase dentro da tela e pegar um stitchpunk para si próprio. Ao longo do filme que eles encontram máquina depois de roupa, cada um mais aterrorizante do que o passado, lutando para descobrir por que eles existem e como eles podem sobreviver. Cada criatura um tem um aspecto individual: 1 e 2 são supostos ser mais velhos, assim que seu pano parece um pouco mais desgastado, 7 é uma fêmea , e seu pano é mais suave que os outros. Os tímidos, os gêmeos infantil, 3 e 4, nunca falam, mas eles roubam a cena sempre que aparece, infinitamente arquivamento tudo à sua volta com um piscar de olhos. O filme é realmente lindo de se ver. O monstro assustador, cérebro contra a qual as criaturas devem defender-se lembra das máquinas em Matrix, olhos brilhando vermelho centrado em uma massa de tentáculos metálicos. Embora a voz atores seja talentosa, o diálogo é pouco, distante no meio, e sem importância para a trama do filme. O 9 é uma peça, inteligente maravilhosas da animação que vai deixar o público extasiado. O filme é a última linha de mão do mundo para o público. “O mundo é nosso agora”, diz 9, “É o que faz dele.” De fato é, o filme parece pedir que, como nós nos esforçamos para as inovações tecnológicas, não podemos nos perder no processo. Foi dada especial atenção aos olhos de 9 e de seus compatriotas, e apenas as pequenas coisas que as criaturas fazem com seus corpos traz em seus personagens. Eles têm pequenos movimentos que parecem torná-los como pessoas reais com caprichos individuais. Quando você está assistindo, você pode entender o que cada personagem está prestes em apenas alguns minutos, e isso ajuda um pouco com a minha capacidade de entrar na história. Nota: 9,0

Responder

Realmente Kamila, o filme se aproxima em alguns detalhes de Wall-e, mas sua narrativa segue um outro caminho e os resultados são bem bons. Estranhei que muita gente não tenha gostado do filme, para mim todo o dilema do 9 e as descobertas que ele irá fazer são muito pertinentes.

Responder

Rafael C., eu também achei o filme muito interessante e é como disse antes. Esse filme passou completamente despercebido nos cinemas. Uma pena!

Responder

Deixe uma resposta