Lendo – “Breve História de Quase Tudo”

publicado em:28/10/11 10:45 PM por: Kamila Azevedo Livros

“Se este livro contém uma lição, é a de que nós somos tremendamente sortudos por estar aqui – e com “nós” quero dizer todos os seres vivos. Alcançar qualquer tipo de vida neste nosso universo parece uma realização de peso. Como seres humanos somos duplamente sortudos, é claro. Desfrutamos não só do privilégio da existência, mas também da capacidade singular de apreciá-la e até, de inúmeras maneiras, torná-la melhor. É um talento que mal começamos a perceber”. (pgs. 483 e 484)

Mais interessante do que a leitura de “Breve História de Quase Tudo”, livro escrito por Bill Bryson, é conhecer a história por trás dos motivos que levaram o autor a escrever a obra. Ao entrar em contato novamente com um livro de ciência ilustrado que ele mesmo utilizou em uma de suas aulas da quarta ou quinta série, Bryson se viu perguntando como aqueles autores, aqueles teóricos sabiam daquelas coisas sobre o universo e, principalmente, como eles chegavam a essas descobertas.

Motivado por esses questionamentos, Bryson decidiu que dedicaria parte da sua vida “à leitura de livros e revistas e à procura de especialistas bonzinhos e pacientes dispostos a responder a um monte de perguntas cretinas. A idéia era ver se seria possível entender e apreciar as maravilhas e realizações da ciência – surpreender-se com elas, até curti-las –, num nível nem técnico ou difícil demais, nem muito superficial”.

O resultado dos três anos de trabalho de Bill Bryson pode ser lido nas 484 páginas de “Breve História de Quase Tudo”, que se divide em dois grandes blocos: a explicação do surgimento do universo como tal o conhecemos e como isso levou à existência da vida humana no planeta Terra – os quais estão subdivididos, por sua vez, em seis partes. Neles, o autor mostra “como passamos da total inexistência de tudo até a existência de algo e, depois, como um pouco daquele algo transformou-se em nós, e também sobre parte do que aconteceu naquele intervalo e desde então”.

Bill Bryson sabe que tem muito assunto importante a cobrir e chega a ser impressionante o trabalho dele, que envolve as grandes descobertas científicas do nosso tempo – fugindo até das referências habituais a ciências como a física e a astronomia, indo buscar informações até mesmo na química, geologia, matemática, paleontologia, arqueologia, biologia, entre outras. Neste sentido, um dos elementos mais importantes no decorrer da leitura de “Breve História de Quase Tudo” é compreender como funciona o mundo científico, o qual tem muito egocentrismo, muita rotatividade, uma grande rivalidade e, contraditoriamente, respeito ao trabalho realizado de forma correta e competente.

Um outro elemento bem interessante do livro “Breve História de Quase Tudo” é perceber o quão pouco se é conhecido da origem humana. De uma certa maneira, a nossa existência no planeta Terra é muito recente e, provavelmente, foi resultado de inúmeras tentativas até ela acontecer, de verdade, uma vez que a vida é extremamente adaptável, começa de uma forma simples e avança sempre rumo ao melhor. Mesmo que, para isso ocorrer, implique em que os humanos assumam, em certos momentos, a posição de “vilões” ao extinguir outras espécies – porém algo que o livro também nos mostra é que a extinção, às vezes, precisa acontecer justamente para permitir que outras espécies perdurem, e isso também vale para nós, humanos, uma vez que também estamos suscetíveis à extinção.

“Breve História de Quase Tudo” é um daqueles livros que deveria servir de material de apoio a todos os estudantes que estão começando a entrar em contato com os principais temas que são abordados por Bill Bryson. A forma direta, fácil e concisa com que o autor (que é jornalista de formação) aborda temas que são de natureza complexa transformam o difícil de ser compreendido em simples de se entender. E este é um dos maiores méritos de um livro que cumpre por completo seu objetivo, pois oferece muitas respostas, ao mesmo tempo em que deixa claro que ainda existe muita coisa a se descobrir e a se entender, uma vez que a ciência é um campo bastante dinâmico, cujos trabalhos estão literalmente em progresso, pronto para explodirem, com o perdão do trocadilho.

Breve História de Quase Tudo (2005)
Autor: Bill Bryson
Editora: Companhia das Letras



Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Qual o livro recomendaria pra mim? Tenho 16 anos, amo romances e aventuras, gosto de uma linguagem limpa, mas não sei por qual livro começo. Obrigada.

Responder

Larissa, vou te indicar um romance clássico, que é meu favorito: “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Depois, avisa se leu e se gostou da dica! 🙂

Responder

Deixe uma resposta