xXx 2: Estado de Emergência

O astro Vin Diesel deve ao filme “Triplo X”, do diretor Rob Cohen, a consolidação do seu status de astro de filmes de ação. Por esta razão, muita gente estranhou quando Diesel não aceitou fazer a seqüência do filme, preferindo atuar em “A Batalha de Riddick” – a seqüência de “Eclipse Mortal”. Coincidência ou não, a verdade é que o diretor Rob Cohen também preferiu se afastar, passando para trás das câmeras e assumindo a posição de produtor executivo de “XXX 2 – Estado de Emergência”, a continuação do seu grande sucesso.

Para o lugar de Cohen, foi chamado Lee Tamahori, o diretor de “007 – Um Novo Dia Para Morrer”, vigésimo filme estrelado pelo espião James Bond. Já o substituto de Diesel foi o rapper Ice Cube, que atingiu o sucesso nas bilheterias com “Uma Turma do Barulho”. Essa foi a primeira vez em que Cube estrelou uma grande produção hollywoodiana. A pressão estava toda nos ombros dele, que teve a responsabilidade de atrair o público jovem que é tão fanático por Diesel e que vai sentir – com certeza – a falta do ator na continuação de “Triplo X”.

Desde o primeiro momento, aliás, fica claro que “XXX 2 – Estado de Emergência” é um filme feito para agradar a esta platéia jovem, ávida por seqüências de ação grandiosas. No filme, Augustus Gibbons (Samuel L. Jackson), o atípico agente da NSA (National Security Agency) tem que recrutar um novo agente Triplo X. Ao contrário de Xander Cage (o agente que Vin Diesel interpretou no primeiro filme), que dirigia motocicletas, esquiava e surfava; Gibbons quer encontrar agora um agente com um perfil diferente, mas igualmente durão, competente e conhecedor das regras do jogo impostas por Gibbons.

O candidato perfeito para a tarefa é Darius Stone (Ice Cube), um ex-marginal que virou o melhor fuzileiro naval da Marinha norte-americana (aonde foi subordinado de Gibbons) e que agora passou os seus últimos nove anos de vida na cadeia. Gibbons não tem problemas em convencer Stone a quebrar convenções e entrar na pele do agente que combate os seus inimigos tendo por trás de si todo o aparato tecnológico e de infra-estrutura da NSA. Afinal, tendo em vista a história de vida de Stone, essa seria uma proposta irrecusável.

Desta vez, a missão que a divisão de Gibbons possui é impedir que um grupo militar dissidente – liderado pelo Ministro da Defesa George Deckard (Willem Dafoe) – aplique um golpe de Estado em pleno Capitólio (a sede do Congresso dos Estados Unidos) contra o presidente da nação, pois ele possui a intenção de parar de investir na defesa militar norte-americana e se voltar para a ajuda internacional a outros países; dando, assim, uma nova chance à tolerância e à convivência pacífica entre as nações.

Em “XXX 2 – Estado de Emergência”, o diretor Lee Tamahori põe em prática toda a cartilha dos filmes de ação norte-americanos e cujos preceitos principais são a realização de cenas de tirar o fôlego (e nas quais a gente finge que acredita), a presença de um astro que tenha uma mínima preocupação com a atuação e sim com a sua função de homem rude, a seleção de uma trilha sonora pesadíssima (com predominância do rap e rock) e um roteiro cheio de furos. O que não impede que “XXX 2 – Estado de Emergência” seja uma ótima fonte de diversão.

2 comments

  1. Pablo 5 Abril, 2013 at 03:28 Responder

    O primeiro já é muito fraco, esse até hj eu não tive a coragem de assistir.
    Parabéns Kamila, por ter visto um filme desse e ainda conseguir fazer uma critica como essa.

    • Kamila Azevedo 6 Abril, 2013 at 10:57 Responder

      Pablo, eu gosto de filmes de ação. Assisti a “Triplo X” e essa continuação e, pra ser bem sincera, gosto de ambos os filmes. Apesar de saber que eles passam longe de ter uma excelente qualidade.

Deixe uma resposta