Bridget Jones 2: No Limite da Razão

publicado em:15/05/13 12:28 AM por: Kamila Azevedo Filmes

Bridget Jones – No Limite da Razão”, a – então – tão aguardada seqüência de “O Diário de Bridget Jones”, começa a sua história seis semanas depois do término do primeiro filme. Neste meio tempo, pouca coisa mudou na vida de Bridget (Renée Zellweger): ela continua a ser repórter numa emissora de TV, ela continua a fazer reportagens de pautas ridículas, ela continua a lidar com a estranha família e seu grupo de amigos e ela continua acima do peso, fumando e fazendo seus planos. Talvez a maior mudança na vida de Bridget foi a entrada de um homem nela. Bridget vem desfrutando de um belo romance com o advogado de direitos humanos – ela faz questão de frisar isso – Mark Darcy (o charmoso Colin Firth). Os dois não se desgrudam, se amam e vão se envolvendo cada vez mais seriamente um com o outro.

Porém, Bridget não seria ela mesma se ela não estivesse passando por um grande conflito. No primeiro filme, ela lidava com a pressão de conseguir um relacionamento. Já no segundo, Bridget lida com a pressão de estar em um relacionamento e com a obrigação de lidar com as responsabilidades advindas dele (os planos a dois e as possibilidades de um casamento e/ou gravidez). Bridget acredita que não está à altura de Darcy e seu ambiente fino de advogado e se sente ameaçada por isto e pela relação que ele possui com a bela Rebecca (Jacinda Barrett).

O que ela precisa, na verdade, é de um tempo para organizar as ideias, bem como melhorar a sua auto-estima. É isso que ela fará quando o chefe dela a promove e a coloca no seu próprio programa de televisão (um guia de turismo). O co-apresentador dela é alguém conhecido, Daniel Cleaver (Hugh Grant, perfeito no papel de cafajeste), seu ex-namorado. Bridget e Daniel irão juntos para a Tailândia, país no qual Bridget tentará resistir aos encantos do ex-caso e no qual ela ficará presa depois de um mal-entendido no aeroporto.

“Bridget Jones – No Limite da Razão” segue a linha do primeiro filme da balzaquiana inglesa: mostra Bridget dividida entre os dois homens de sua vida (Daniel e Mark) e tentando dar um rumo à sua existência. O filme ganha força na excelente interação do elenco e no carisma da personagem que dá nome aos dois longas: uma mulher que erra e aprende com suas falhas, que não tem medo de parecer ridícula e que, principalmente, ri de si mesma e não se leva muito a sério.



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Confesso que o primeiro Bridget Jones já foi suficiente para mim… Não que não tenha gostado, gostei, me diverti, mas acho que não precisava de um segundo. hehe.

Responder

Deixe uma resposta