Blue Jasmine

Se a personagem principal do filme “Blue Jasmine”, dirigido e escrito por Woody Allen, fosse brasileira, com certeza ela teria uma trilha sonora perfeita na música “Pobre Menina Rica”, de Carlos Lyra. “Eu acho que quem me vê, crê que eu sou feliz, feliz só porque tenho tudo quanto existe para não ser infeliz”. De uma certa maneira, existe uma melancolia por trás desses versos, porque fica subentendido que a felicidade está ligada ao fato da pessoa ter posses, mas nem sempre isso acontece.

Na medida em que a trama de “Blue Jasmine” avança, percebemos que esse é justamente o caso da personagem principal (Cate Blanchett). Para todos, ela tinha uma vida perfeita, inserida na alta sociedade de Nova York, com uma existência repleta de luxos e de viagens ao lado do marido Hal (Alec Baldwin). Entretanto, quando o seu marido é preso por causa de um escândalo financeiro, a vida de Jasmine dá uma guinada de 360 graus.

A jornada de Jasmine, no decorrer do filme, na realidade, é uma tentativa que o roteiro de Woody Allen faz de mostrar uma personagem tentando se reerguer logo após viver aquele que, provavelmente, foi o maior revés de sua vida. Já que Jasmine tem uma nova vida para se readptar, longe de tudo aquilo que ela conhecia, nada mais ideal do que colocá-la num ambiente que é completamente inóspito para ela, na medida em que ela passa a viver uma vida mais modesta ao lado da irmã Ginger (Sally Hawkins), na cidade de San Francisco.

As diferenças culturais, econômicas, de pensamento, de prioridades e, principalmente, de personalidades entre as duas irmãs é que faz de “Blue Jasmine” um filme interessantíssimo. Por meio da interação entre as personagens interpretadas por Cate Blanchett e Sally Hawkins, por meio do relacionamento que se estabelece entre Jasmine e as pessoas que fazem parte do mundo de Ginger (com destaque para Chili, o namorado canastrão dela, interpretado com competência por Bobby Cannavale), fica ainda mais nítido a derrocada da personagem principal  (ainda mais quando confrontada com as cenas de flashback, que mostram momentos da vida prévia de Jasmine) e isso é um subsídio muito importante para compreendermos a personagem interpretada por Cate Blanchett.

Por falar na atriz australiana, é importante mencionar que a personagem principal de “Blue Jasmine” é o primeiro papel importante que ela interpreta após uma pausa de cinco anos na carreira, em que ela, além de se dedicar à família, dividiu com o marido a administração de um teatro em Sydney. Após assistirmos ao filme, fica fácil compreender o por quê da volta de Cate Blanchett. Não é só o fato de poder trabalhar com um diretor e roteirista como Woody Allen, mas também a questão de poder fazer uma parceria profissional com ele num roteiro inspiradíssimo, com muito senso de humor e frases de efeito. Blanchett está em quase todas as cenas do filme e ela conseguiu captar e transmitir para a plateia o grande conflito de Jasmine: uma mulher que vive em completo estado de negação, em relação a tudo que a envolve. A realidade é que Jasmine parece estar num estado permanente de choque. E, enquanto não sair disso, fica aquela sensação de que ela nunca irá retomar a sua vida. Talvez, por isso, por esses detalhes pequenos, mas que fazem a diferença, que ela esteja sendo considerada como a grande favorita ao Oscar 2014 de Melhor Atriz.

15 comments

  1. bruno knott 24 dezembro, 2013 at 00:17 Responder

    Interessante essa analogia com a música de Carlos Lyra (que não conhecia). Blue Jasmine é ótimo e eu acho que a Cate Blanchett tem tudo para confirmar esse favoritismo, apesar da Sandra Bullock.

  2. Clóvis Tayllon 31 dezembro, 2013 at 15:52 Responder

    O maior pecado cinéfilo que eu cometi esse ano (entre muitos), não foi ter corrido pra assistir a esse filme enquanto podia. Agora, fora de cartaz, não o acho em canto nenhum! Queria muito conferir a atuação da Cate Blanchett.

    Abs, Ka. E feliz virada de ano!

    • Kamila Azevedo 17 Janeiro, 2014 at 11:58 Responder

      Cassiano, também gosto dessa nova fase do Woody Allen e acho que, em “Blue Jasmine”, temos uma das melhores atuações da carreira da Blanchett. Que bom que ela está de volta.

  3. Carissa 19 Janeiro, 2014 at 06:05 Responder

    Achei o filme um dos mais inspirados do Allen em anos. O roteiro é bem construído e muitas coisas lembram Um Bonde Chamado Desejo. A atuação da Blanchett está magnífica e a Sally também está muito bem. O Woddy sempre soube escolher seus atores.
    Espero que ela ganhe o Oscar, porque a interpretação dela é incrível.

    • Kamila Azevedo 19 Janeiro, 2014 at 22:42 Responder

      Carissa, sem dúvida, é um dos filmes mais inspirados do Woody Allen, nos últimos anos. Boa analogia com “Um Bonde Chamado Desejo”. Eu não tinha me atentado a isso. Cate Blanchett e Sally Hawkins estão mesmo sensacionais, como todo o elenco. E a Cate Blanchett, com certeza, ganhará o Oscar.

  4. Pablo 28 Janeiro, 2014 at 01:13 Responder

    Esse filme tem a cara de Woody Allen, começando pela trilha sonora, passando pela história e terminando com uma protagonista feminina como ele sempre gostou de ter em seus filmes.
    Não considero esse filme um dos melhores dele, gostei bem mais de Vicky Christina Barcelona ou Match Point do que desse, mas a atuação de Cate Blanchett se sobressai na história. Não consigo visualizar outra atriz fazendo esse papel que não seja a Cate, ela esta sensacional, incorporou como ninguém o papel da viúva problemática que não consegue aceitar a realidade e vive em um mundo de faz de contas.
    Quanto ao Oscar, ela é forte candidata, mas ainda não vi Trapaça para saber se Amy Adams tem chances.

    • Kamila Azevedo 29 Janeiro, 2014 at 00:49 Responder

      Pablo, concordo que é um filme com a cara de Woody Allen, especialmente por causa das neuroses e idiossincrasias das personagens que ele criou aqui. Cate Blanchett está sensacional como Jasmine e merece todos os elogios por isso. Quanto ao Oscar, não tem para onde correr: vai dar Cate. Ela está imbatível. Não tem chances para Amy Adams.

  5. Ângelo de Oliveira 5 Fevereiro, 2014 at 11:18 Responder

    O Oscar está devendo o prêmio principal para Cate, mas também tem uma dívida muito grande com Amy Adams, porém Sandra Bullock merece por ter feito o filme praticamente todo sozinha, para esse ano apesar das premiações pré-Oscar indicarem Cate como a grande vencedora do ano, ainda está muito acirrada essa disputa. Vamos ver o que vai dar.

    • Kamila Azevedo 6 Fevereiro, 2014 at 00:49 Responder

      Ângelo, não acho que o Oscar deva o prêmio principal à Cate, que ficou um tempo longe da carreira. Sua volta arrebatadora em “Blue Jasmine” está lhe dando o favoritismo merecido em Melhor Atriz. De toda forma, acho que a maior concorrente de Blanchett é Sandra Bullock. Porém, nada, na minha cabeça, tirará esse prêmio da Cate.

Deixe uma resposta