Rio 2

publicado em:2/05/14 12:53 AM por: Kamila Azevedo Cinema

O nome da sequência é “Rio 2”, mas, ao contrário do visto em “Rio”, a Cidade Maravilhosa não atua como pano de fundo da história a ser protagonizada por Blu (dublado na versão original por Jesse Eisenberg). Na continuação, o Rio de Janeiro só aparece no primeiro ato, reforçando a sua imagem típica de beleza, alegria, carisma e samba. Na realidade, a trama de “Rio 2″ se passa no meio da floresta amazônica, um habitat natural para a espécie de ararinha-azul, à qual Blu e a família que ele formou com sua esposa Jewel (dublada na versão original por Anne Hathaway) e os seus três filhos pertencem.

Na maior parte de “Rio”, a plateia é levada a acreditar que a espécie de ararinha-azul encontra-se às vias de ser extinta, porém, na medida em que uma expedição realizada por Linda (dublada na versão original por Leslie Mann) e Tulio (dublado na versão original por Rodrigo Santoro), na continuação, revela a descoberta de uma tribo de ararinhas-azul no meio da floresta amazônica, temos o desenho da repetição, em “Rio 2”, do mesmo conflito visto em “Rio”: a tentativa de Blu de se adaptar a um mundo completamente diferente do que ele conhece e que faz com que ele entre em um confronto direto com o tipo de criação que ele recebeu.

“Rio 2”, portanto, fala da tentativa de Blu e Jade de criarem seus filhos como pássaros reais, acostumados ao ambiente da natureza; diferente, por exemplo, da educação que Blu recebeu de Linda, como um pássaro de estimação. Crescer na natureza: foi essa a criação que Linda recebeu e, na medida em que ela entra em contato com o seu passado, com a sua família e com o ambiente que ela conheceu, vemos Blu tendo que aprender a ser, ele também, um pássaro selvagem, mas com uma característica especial: a compaixão e a sensibilidade para perceber as coisas que estão ao seu redor – que ele aprendeu com o convívio com Linda.

Assim como visto em “Rio”, o ponto de destaque de “Rio 2” são as cores presentes na animação dirigida por Carlos Saldanha. Os ambientes vistos na sequência são coloridos e representam toda a alegria de viver que é característica do povo brasileiro. Sem dúvida, o uso das cores hipnotiza, especialmente os olhos infantis. O outro ponto positivo do longa são os números musicais. Com supervisão de produção de Sergio Mendes e a participação de artistas como Carlinhos Brown (produtor executivo da trilha sonora), Janelle Monáe, Bruno Mars, Jamie Foxx e Milton Nascimento, as músicas representam toda a mensagem positiva de amor, de respeito e de alegria presentes em “Rio 2” – que fala também sobre a questão da exploração desmedida da natureza pelo homem.



Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Concordo, as cores e as músicas são os pontos positivos dessa continuação, no mais, achei bem abaixo do primeiro.

Responder

muito abaixo, é um filme pra ganhar dinheiro com o sucesso do primeiro, mas que esqueceram de pagar um bom roteirista.

Responder

Uma decepção,parece que Carlos Saldanha fez uma obra mais para o público infantil.É uma pena,pq eu gosto tanto do primeiro filme.

Responder

Cassiano, também achei uma continuação abaixo da média.

Paulo, não sei se foi uma decepção, pois não esperava muita coisa da continuação, mas achei um filme muito abaixo da média.

Responder

Deixe uma resposta