Bonequinha de Luxo

publicado em:8/07/14 1:19 AM por: Kamila Azevedo CinemaDVD

“Era uma vez uma garota amável e muito assustada. Ela vivia sozinha na companhia de um gato sem nome”. Esses são os primeiros rabiscos de um conto chamado “Minha Amiga”, que o aspirante a escritor Paul Varjak (George Peppard) começa a escrever tendo como inspiração a sua vizinha Holly Golightly (Audrey Hepburn), uma garota inocente, ambiciosa e fútil, que habitava um mundo de aparências, o qual acabou mascarando a sua verdadeira identidade, a ponto dela mesma não saber quem ela era de verdade e quais os caminhos que ela gostaria de seguir.

São esses dois personagens que movem o universo narrativo de “Bonequinha de Luxo”, filme dirigido por Blake Edwards tendo como base o livro homônimo escrito por Truman Capote. Na realidade, o longa se apoia no relacionamento que se estabelece entre Holly e Paul, com quem ela tem algumas características bastante similares. Assim como Holly, Paul tem, dentro de si, uma série de atos moralmente questionáveis. Só que, ao contrário da sua amiga, Paul se atormenta por isso, pois tem a consciência daquilo que faz e encara a realidade de frente, sem fugir das consequências.

“Bonequinha de Luxo” foi lançado em 1961; antes, portanto, da liberdade de expressão e sexual que marcou o final dessa década. Neste sentido, Holly Golightly foi uma personagem fundamental para o surgimento da mulher moderna. Apesar de nunca estar explícita, fica subentendida a condição de Holly: uma garota de programa que sonhava em se casar com um milionário. Alguém que suprimiu o seu eu verdadeiro em busca de condições melhores para si e para o seu amado irmão Fred.

Talvez, por isso mesmo, a importância de se escalar alguém como Audrey Hepburn para esse papel. Uma das maiores estrelas de cinema de todos os tempos, Hepburn viu sua imagem se tornar icônica a partir do momento em que colocou o vestido preto e se pôs diante da vitrine da Tiffany’s (loja que, em “Bonequinha de Luxo”, representa o ideal de felicidade e segurança para Holly Golightly). Com uma aparência de “garota comum”, Audrey humanizou a protagonista deste filme.

Ajudou também nesse processo de humanização o fato de que Blake Edwards impôs uma visão um tanto romântica (com toques de comédia pastelão nas cenas que retratam o estilo de vida agitado de Holly) à história idealizada por Truman Capote. Se, no livro, tínhamos a crônica de um estilo de vida e de uma personalidade que fascinava o seu narrador por completo; na adaptação cinematográfica, “Bonequinha de Luxo” virou uma história de amor, em que esse sentimento significa o resgate de Holly Golightly e daquilo que ela verdadeiramente é e teima em esconder.



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Belíssimo texto Kamila.
Bonequinha de luxo não é uma obra prima, mas é um filme que todos que gostam de cinema deveriam ver pelo menos uma vez na vida, primeiro por causa de Audrey Hepburn no auge da sua beleza e segundo pela magia que o filme carrega em si.
Desde que eu comecei a assistir filme antigos, Bonequinha de Luxo sempre figurou na minha lista dos filmes que eu queria ver, primeiro por causa do titulo e segundo por sempre aparecer nos comentários de Rubens Ewald Filho durante as transmissões do Oscar.
Só depois de algum tempo, eu conheci a atriz principal, Audrey e ai eu fiquei com mais vontade ainda de assisti-lo. Quando eu consegui eu me apaixonei e acabei comprando um dvd para mim.
Junto com Elizabeth Taylor, Audrey representa para mim o ápice da beleza hollywoodiana de todos os tempos. Mas não foi só pela beleza que ela me conquistou, ela também fez grande filmes como Sabrina, Charada, A Princesa e o Plebeu, Minha bela dama, Infâmia etc, além de ter sido embaixadora da UNICEF ajudando crianças da America Latina e da Africa.
Uma pena que uma pessoa que transparecia ser tão educada e meiga, veio a morrer tão cedo, deixando uma legião de fãs que continuam idolatrando e espalhando o seu legado pelo mundo.

Responder

Pablo, obrigada! Concordo que “Bonequinha de Luxo” não é uma obra-prima, mas não deixa de ser um filme com grandes qualidades. Audrey Hepburn no seu auge, no filme que a transformou num ícone. Ela é minha atriz favorita e foi um prazer e uma honra pra mim poder assistir a este filme no cinema.

Responder

Desde que vi a lista dos clássicos do Cinemark lembrei de você. Ver “Bonequinha de Luxo” teve ter sido uma emoção para uma fã tão assumida de Audrey Hepburn. Não é o melhor filme dela, mas, sem dúvidas, é o mais icônico. Como você disse, a vestimenta em frente à Tiffany’s ficou marcada em nossa memória.

Responder

Assistiu no cinema? Queria muito ter ido nessas sessões especiais que aconteceram recentemente. Deve ser algo… incrível mesmo! É um dos meus filmes prediletos, assim como a Audrey, como atriz.

Enfim, nem tenho o que dizer sobre. É, de fato, um filme especial e singular!

Responder

Amanda, 🙂 Ah, foi muito emocionante assistir a esse filme no cinema. Fiquei com os olhos marejados muitas vezes. Concordo que não é o melhor filme da Audrey, mas é o mais icônico.

Raspante, assisti, sim. No projeto Clássicos Cinemark.

Responder

Belíssimo texto Kamila. Não sei a razão mas Bonequinha de Luxo é o meu filme favorito. A Audrey está tão bela. É uma diva mesmo, minha atriz favorita. A música Moon River é a minha favorita para todos os dias. Queria muito poder ter tido essa oportunidade de assisti-lo no cinema mas o Cinemark não disponibilizou os clássicos para todos os cinemas, mas eles vão fazer sessões aqui em Goiânia na segunda edição de clássicos do cinema. Então perdi a oportunidade mas imagino que deve realmente ter sido emocionante. Eu iria realizar um sonho.

Responder

Paloma, obrigada! “Bonequinha de Luxo” é meu filme favorito da Audrey. Um dos meus favoritos pessoais. Também amo “Moon River”. Uma pena que você não pode assistir a este filme no projeto Cinemark Clássicos. Teria sido uma bela experiência!

Responder

Deixe uma resposta