Os Vencedores do Grande Prêmio de Cinema Brasileiro 2014

publicado em:28/08/14 12:52 AM por: Kamila Azevedo NotíciasPrêmios

Captura de tela 2014-08-27 21.39.34
Faroeste Caboclo“, filme dirigido por René Sampaio, foi o grande vencedor do 13º Grande Prêmio de Cinema Brasileiro, premiação que aconteceu ontem à noite e que é outorgada pela Academia Brasileira de Cinema. O longa estava indicado em 13 categorias, das quais venceu sete – incluindo Melhor Filme e Melhor Ator para Fabrício Boliveira, que interpretou o personagem principal: João de Santo Cristo.

A grande novidade da premiação deste ano foi o reconhecimento, pela primeira vez na história do evento, a um filme de comédia. A honra coube a “Cine Holliúdy“, do diretor Halder Gomes.

Vejam a lista completa de vencedores do Grande Prêmio de Cinema Brasileiro 2014:

Melhor longa-metragem de ficção:
“Faroeste Caboclo”. Produção: Bianca De Felippes por Gávea Filmes e Produções, Marcello Maia por República Pureza e René Sampaio por Fogo Cerrado Filmes (108minutos)

Melhor longa-metragem de documentário:
“A Luz do Tom”, de Nelson Pereira dos Santos. Produção: Márcia Pereira dos Santos por Regina Filmes Ltda e Maurício

Melhor longa-metragem de animação:
“Uma História de Amor e Fúria”, de Luiz Bolognesi. Produção: Caio Gullane, Fabiano Gullane, Débora Ivanov e Gabriel Lacerda por Gullane Entretenimento, Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi e Marcos Barreto por Buriti Filmes

Melhor longa-metragem infantil:
“Meu Pé de Laranja Lima”, de Marcos Bernstein. Produção: Katia Machado por Pássaros Films do Brasil Audiovisuais Ltda.

Melhor longa-metragem de comédia:
“Cine Holliúdy”, de Halder Gomes. Produção: Halder Gomes e Dayane Queiroz por ATC Entretenimentos

Melhor direção:
Bruno Barreto por “Flores Raras”

Melhor atriz:
Gloria Pires, como Lota de Macedo Soares, por “Flores Raras”

Melhor ator:
Fabrício Boliveira, como João de Santo Cristo, por “Faroeste Caboclo”

Melhor atriz coadjuvante:
Bianca Comparato, como Carmem Tereza, por “Somos Tão Jovens”

Melhor ator coadjuvante:
Wagner Moura, como Lindo Rico, por “Serra Pelada”

Melhor direção de fotografia:
Gustavo Habda, por “Faroeste Caboclo”

Melhor direção de arte:
José Joaquim Salles, por “Flores Raras”

Melhor figurino:
Marcelo Pies, por “Flores Raras”

Melhor maquiagem:
Siva Rama Terra, por “Serra Pelada”

Melhor efeito visual:
Daniel Greco e Bruno Monteiro, por “Uma História de Amor e Fúria”
Robson Sartori, por “Serra Pelada”

Melhor roteiro original:
Kleber Mendonça Filho, por “O Som ao Redor”

Melhor roteiro adaptado:
Marcos Bernstein e Victor Atherino – adaptado da música “Faroeste Caboclo” de Renato Russo, Legião Urbana – por “Faroeste Caboclo”

Melhor montagem ficção:
Marcio Hashimoto, por “Faroeste Caboclo”

Melhor montagem documentário:
Marília Moraes e Tina Baz, por “Elena”

Melhor som:
Leandro Lima, Miriam Biderman, ABC, Ricardo Chuí e Paulo Gama por “Faroeste Caboclo”

Melhor trilha sonora:
Paulo Jobim por “A Luz do Tom”

Melhor trilha sonora original:
Phillipe Seabra por “Faroeste Caboclo”

Melhor curta ficção:
“Flerte” de Hsu Chien

Melhor curta documentário:
“A Guerra dos Gibis” de Thiago Brandimarte Mendonça e Rafael Terpins

Melhor curta animação:
“O Menino que Sabia Voar” de Douglas Alves Ferreira

Melhor longa-metragem estrangeiro:
“Django Livre”/Django Unchained de Quentin Tarantino. Distribuição: Sony Pictures



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Eu assisti boa parte dos filmes,na categoria melhor filme assisti todos.Assisti a cerimônia no Canal Brasil e a apresentação de Caio Blat e Maria Ribeiro foi muito boa com uma homenagem a Domingos de Oliveira(visivelmente embriagado ao receber o prêmio).Mas a distribuição dos prêmios foi incoerente(e não estou afirmando isso por um gosto pessoal).O filme do ano foi “O Som ao Redor”,”Flores Raras” consagrou Bruno Barreto e Glória Pires(apesar de ser a codjuvante,Miranda Otto é a protagonista),um filme sensível e o melhor da carreira de Barreto(junto com “Atos de Amor” com Dennis Hooper),na sua crítica vc faz uma comparação com “As Horas” e realmente tem semelhanças,duas mulheres presas em um mundo e que descobrem a sexualidade,com uma trilha que evoca Philp Glass.O prêmio foi merecido para o protagonista de “Faroeste Caboclo” e Wagner Moura levou mais um por “Serra Pelada”.Ele é ótimo,um dos meus atores favoritos.Torço que ele seja nomeado ao Oscar por “Trash” de Stephen Daldry,o mundo precisa conhecer esse excelente ator.Me isento de opinar sobre “Somos Tão Jovens” porque não assisti esse filme e foi muito bom o discurso em de Halder Gomes,ele é uma figura muito simpática e engraçado(não gosto de Cine Holliudy,mas reconheço que o filme foi bem recebido pela crítica)Mas a minha relação de amor com “O Som ao Redor” é antiga,que filme! original,crítico,mordaz na visão da classe média brasileira e muito bem conduzido por Kleber Mendonça Filho.Vejo semelhanças com “Short Cuts” de Robert Altman,pessoas presas em seus mundos e vidas,histórias entrelaçadas em um recife quente.Esse é um diretor que quero acompanhar de perto e que infelizmente não venceu o principal prêmio da noite,ao menos ele levou o de melhor roteiro original.E por favor assista “O Som ao Redor” que eu quero saber o que vc pensa dessa obra e compartilhar idéias contigo.Beijos!

Responder

Paulo, vou tentar assistir a “O Som ao Redor” em breve. Estou em dívida com esse filme. Não assisti à premiação, mas concordo contigo: eu esperava mais para “Flores Raras”, para mim, o melhor filme brasileiro do ano passado.

Responder

Deixe uma resposta