Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1

publicado em:9/01/15 2:11 AM por: Kamila Azevedo Cinema

Seguindo a tendência do que foi visto em filmes que encerravam as séries cinematográficas baseadas em populares franquias literárias, como “A Saga Crepúsculo – Amanhecer” e “Harry Potter e as Relíquias da Morte”, “A Esperança”, história que encerra a série “Jogos Vorazes” também será dividida em dois filmes. A primeira parte do filme, dirigida por Francis Lawrence (que também ficará responsável por essa continuação), chegou aos cinemas brasileiros em novembro de 2014.

Uma coisa que logo chama a atenção em “Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1” é que este é um filme em que, finalmente, o roteiro aborda algo que já deveria ter sido trabalhado, por exemplo, na segunda parte desta série cinematográfica, “Em Chamas”: o fato de que estar direta ou indiretamente envolvido com os Jogos Vorazes aos quais o título desta saga faz referência, aplica transformações profundas nas vidas daqueles a quem as competições afetam.

As mudanças advindas da vivência de um jogo em que há uma extenuante batalha física e emocional, com elementos como a manipulação de realidade e – por quê não – a crueldade, pela primeira vez, podem ser percebidas em todos os personagens deste longa. Mas a maior reforma pode ser percebida na população que formava o que a Capital (Estado dominante) chamava de Panem.

Se os distritos que formam Panem, pela primeira vez, estão com a força suficiente para enfrentar a ditadura autoritária que lhes é imposta pela Capital, Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence), que foi quem enfrentou os próprios desígnios desse Estado dominante dentro dos Jogos Vorazes, nas duas vezes em que participou deles, é o rosto ideal para ser o símbolo da resistência de seu povo. Enquanto o roteiro de “Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1” se aprofunda nesta parte política, é interessante ver a maneira como a história ainda mantém de pé um de seus elementos mais fortes: o desenho do triângulo amoroso que envolve Katniss, Peeta Mellark (Josh Hutcherson) e o corajoso Gale Hawthorne (Liam Hemsworth).

Nessas séries tipicamente juvenis que citamos no início de nosso texto, uma coisa comum era aguardar aquele filme/livro em que a história iria atingir um patamar mais sombrio, para não dizer maduro. Podemos afirmar que nenhuma dessas séries trabalhou conceitos tão fortes e densos, especialmente no que diz respeito à discussão de uma realidade política complicada, como “Jogos Vorazes”. Por isso mesmo, “A Esperança – Parte 1” acaba sendo uma ponte importante para aquele que, com certeza, será o ápice narrativo de todos os conceitos que essa franquia trabalha, bem como da consolidação de Katniss Everdeen como uma das personagens femininas mais fortes vistas recentemente no cinema.



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Acho o resultado interessante, e concordo que possa ser uma ponte importante para o final, mas ainda preciso ver essa segunda parte para ter uma opinião mais fechada sobre essa primeira. Para mim ficou algo ainda muito incompleto, apenas expectativas para o que está por vir.

Responder

Amanda, não conheço os livros, mas concordo contigo que esse primeiro filme ainda é uma ponte para a segunda parte, que concluirá de forma adequada a história. Só sei que, depois desse primeiro filme, as expectativas em relação à segunda parte ficaram altas.

Responder

Deixe uma resposta