Ex-Machina: Instinto Artificial

Nota9.5
9.5
Reader Rating: (0 Rates)0

O nome do filme pode ser “Ex-Machina: Instinto Artificial”, mas, na realidade, a obra dirigida e escrita por Alex Garland, fala, principalmente, sobre a criação de inteligência artificial, quando temos softwares ou mecanismos eletrônicos exibindo uma inteligência similar à dos humanos. Nesse sentido, é bom que o espectador esteja ligado ao conceito do Teste de Turing (que tem esse nome por causa do teórico Alan Turing, interpretado, no início do ano, por Benedict Cumberbatch no filme “O Jogo da Imitação”, de Morten Tyldum).

O Teste de Turing testa a capacidade de uma máquina exibir comportamento parecido ao de um humano. O teste é caracterizado por uma conversa que é estabelecida entre o ser humano e uma máquina projetada. Se a máquina conseguir convencer que seu comportamento é bastante similar ao de um ser humano, ou se este não conseguir perceber que está diante de uma máquina programada, diz-se que a máquina passou no teste e que ela possui um pensamento próprio, independente da programação que ela recebeu.

O roteiro de “Ex-Machina: Instinto Artificial” se apoia numa interação desse tipo, que ocorre entre Caleb (Domhall Gleeson), um jovem – e talentoso – programador de computadores, e Ava (Alicia Vikander), a mais nova criação de Nathan Bateman (Oscar Isaac), um brilhante empresário que vive recluso no meio do nada. O interessante é que, na forma como o roteiro é estruturado, com o jogo que se estabelece entre a personalidade estranha de Nathan, a “ingenuidade” de Caleb e a vivacidade de Ava, a plateia também se sente dentro do Teste de Turing que ocorre no decorrer do longa.

Um filme inteligente e com uma direção de arte impecável (na criação do universo em que Nathan vive, que possui a frieza e o mistério que são próprios de Ava, por exemplo), “Ex-Machina: Instinto Artificial” é uma obra repleta de tensão. Nos sentimos dentro da pele de Caleb, diante das emoções, dos medos e das angústias que ele vivencia, ao ponto de não conseguirmos distinguir o que é realidade do que é a programação – aqui, vale destacar a grande atuação de Alicia Vikander, perfeita como Ava, e a dualidade que Oscar Isaac traz ao seu Nathan. Pelo fato de trazer o jogo para dentro de nós, “Ex-Machina: Instinto Artificial” é um dos grandes filmes de 2015, até agora. Mais um longa que trata sobre a evolução da tecnologia e o que ela pode trazer em termos da redefinição dos relacionamentos entre os homens.

Ex-Machina: Instinto Artificial (Ex-Machina, 2015)
Direção: Alex Garland
Roteiro: Alex Garland
Elenco: Domhall Gleeson, Oscar Isaac, Alicia Vikander, Corey Johnson, Sonoya Mizuno

6 comments

    • Kamila Azevedo 15 agosto, 2015 at 14:08 Responder

      Otavio, o filme foi lançado diretamente em DVD, infelizmente. Mas já pode ser visto no Popcorn Time, por exemplo! 😉

  1. bruno knott 15 agosto, 2015 at 15:43 Responder

    muito bom o texto, kamila! por incrível que pareça eu não tinha feito a associação do teste de Turing com o alan turing haha

    sem dúvida é um dos grandes do ano. está no top 5 pra mim. e oscar isaac cada vez se consolida mais. o cara é muito bom.

  2. MARCO 20 março, 2017 at 20:56 Responder

    ola

    quero saber se você tem informações quando a universal vai lançar ou se ja lançou no Brasil o filme ex machina dublado em blu ray

    grato

    • Kamila Azevedo 21 março, 2017 at 20:55 Responder

      Marco, pesquisei no site da Livraria Cultura e o filme está indisponível em DVD. Parece que ainda não foi lançado em Blu-Ray, infelzimente.

Deixe uma resposta para bruno knott Cancelar resposta