Missão Impossível: Nação Secreta

publicado em:24/09/15 12:53 AM por: Kamila Azevedo Cinema

É certo dizer que a série cinematográfica Missão: Impossível representa a zona de conforto na carreira do ator e produtor Tom Cruise. Quando ele se “cansa” de suas aventuras nos gêneros de ficção científica, drama e ação, na média de cinco em cinco anos, ele lança um novo filme dessa série. Ethan Hunt, a personagem que ele interpreta nessa franquia é um agente destemido, corajoso e o nome mais importante da IMF – Impossible Mission Force, uma agência governamental ficcional, que atua onde as agências de espionagem mais conhecidas não podem agir.

O roteiro escrito por Christopher McQuarrie coloca Ethan Hunt numa situação muito delicada, a partir do momento em que o FBI, após audiência com membros do Congresso dos Estados Unidos, consegue a permissão para impedir a IMF de funcionar. Isso não poderia ter ocorrido num momento pior, uma vez que, após anos de investigação, Hunt estava finalmente próximo de desmantelar o Sindicato, organização criminosa formada por agentes – também – secretos, que foram dados como mortos e que possui objetivos pra lá de duvidosos.

Ou seja, Missão Impossível: Nação Secreta coloca sua personagem principal numa vida de clandestinidade, sem os recursos técnicos que, uma vez, ele possuiu, na medida em que a IMF estava impedida de operar; enfrentando, pela primeira vez, inimigos que, realmente, o colocam em perigo; e confirmando, mais uma vez, o status de que, em se tratando daquelas missões altamente improváveis, Ethan Hunt será sempre aquela pessoa certa, que age da maneira correta.

Apesar de ser apoiado naqueles clichês que são típicos dessa série, Missão Impossível: Nação Secreta é um filme de ação muito competente. De uma certa maneira, Christopher McQuarrie conseguiu atualizar essa série, trazendo para o seu filme os elementos mais bem-sucedidos dos filmes de ação que envolvem espionagem e que foram um grande sucesso em anos recentes. Ao assistir a esta obra, é impossível não pensar em Jason Bourne e sua série de filmes, especialmente na maneira como ele e Ethan Hunt conseguem se reinventar a cada novo longa.

Missão Impossível: Nação Secreta (Mission Impossible: Rogue Nation, 2015)
Direção:
Christopher McQuarrie
Roteiro: Christopher McQuarrie (com base na história de Christopher McQuarrie e Drew Pearce, bem como nas série de televisão criada por Bruce Geller)
Elenco: Tom Cruise, Jeremy Renner, Simon Pegg, Rebecca Ferguson, Ving Rhames, Sean Harris, Tom Holland, Alec Baldwin



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Como um autêntico cancêriano Tom Cruise nunca deixou de acreditar em sua carreira.O casamento com Katie Holmes foi um desastre pra sua imagem(os pulinhos no sofá da Oprah,a polêmica religião da cientologia…),mas com esse “Missão Possivel:Nação Secreta” Tom Cruise parece que voltou para ficar.Não que ele em algum momento deixou de ser uma estrela de cinema,mas sua determinação é louvável.A cena que ele se agarra no avião é uma demonstração da determinação dele(vc acredita que ele não usou dublê?).E o filme é muito bom,e se não é memorável,mantém a força da franquia “Missão Impossível”(tanto em crítica quanto em bilheteria).Ok,essa franquia pode ser a zona de conforto dele,mas quando Cruise está na pele de Ethan Hunt ele se transforma.É admirável que ele se reinvente aos 53 anos.

Responder

Segundo melhor filme de ação do ano. Perde só para “Mad Max: Estrada da Fúria”.
Bjs!

Responder

Paulo, acredito, sim, que ele não tenha usado dublê e isso fica claro em várias cenas desse filme. Concordo quando você fala sobre a reinvenção constante de Cruise, com esse personagem!

Otavio, sim, certeza!

Responder

Deixe uma resposta para Paulo Ricardo Cancelar resposta