Beasts of No Nation

Nota8.5
8.5
Reader Rating: (0 Rates)0

Beasts of No Nation, filme dirigido e escrito por Cary Joji Fukunaga, já tem seu nome marcado na história do cinema por ter sido o primeiro filme original produzido pelo sistema de streaming Netflix, que adquiriu os direitos de distribuição mundial da obra, lançando-a simultaneamente online e nos cinemas – o que causou uma polêmica enorme, principalmente entre as grandes de redes de cinema dos Estados Unidos, que boicotaram o filme, relegando-o a um lançamento limitado nos cinemas pequenos e independentes do país.

O filme é centrado na figura de Agu (Abraham Attah), um menino africano que vê a sua família ser destruída no meio de uma guerra civil de uma nação sem nome. Em consequência disso, Agu acaba sendo “acolhido” pela tropa rebelde liderada pelo Comandante (Idris Elba), que lhe abraça como um filho e o treina como um soldado-criança, uma máquina de violência, uma fera, que encara os fronts de batalhas como se fosse um verdadeiro adulto.

Ou seja, Beasts of No Nation é uma história que mostra a perda da inocência por parte de Agu, que, no meio de todo esse conflito, entra em contato com o sentimento de perda, com a violência, com o uso de drogas, com a crueldade e é, literalmente, obrigado a fazer e a testemunhar atos que nunca deveriam ser feitos ou vistos por uma criança como ele. Por isso mesmo, Beasts of No Nation acaba sendo uma obra muito difícil de se assistir – ainda mais porque sabemos que a realidade retratada por Cary Joji Fukunaga (responsável também pela excelente direção de fotografia do filme) é muito condizente com o que ocorre nos países africanos que vivem envolvidos em disputas de poder.

Chega a ser impressionante, por isso mesmo, acompanhar a evolução da atuação do estreante Abraham Attah, especialmente a partir do momento em que ele encara um verdadeiro embate dramático com Idris Elba, que está magnético e excelente como o Comandante que exerce uma influência enorme sobre os seus subordinados – que são mesmo capazes de tudo por ele. Mas, a mensagem mais positiva que adquirimos ao assistir a Beasts of No Nation é que, mesmo diante de tanto sofrimento e violência, o que Agu mais queria era a oportunidade de ser criança novamente, de ver a sua família reconstruída e, principalmente, de reencontrar a paz e a alegria que ele foi forçado a perder. Isso está presente nos seus diálogos com Deus, no decorrer do filme, e na sua própria consciência diante de tudo aquilo que ele pratica.

Beasts of No Nation (Beasts of No Nation, 2015)
Direção: Cary Joji Fukunaga
Roteiro: Cary Joji Fukunaga (baseado no livro escrito por Uzodinma Iweala)
Elenco: Abraham Attah, Emmanuel Affadzi, Ama K. Abebrese, Kobina Amissah-Sam, Francis Weddey, Emmary Brown, Emmanuel Nii Adom Quaye, Zabon Gibson, Randy Aflakpui, Justice Promise Azudey, Annointed Wesseh, Idris Elba, Jude Akuwudike

2 comments

  1. Amanda Aouad 24 abril, 2016 at 19:34 Responder

    Por coincidência vi ontem depois de algum tempo em minha lista na Netflix, rs. Realmente um filme difícil de ver, principalmente por algumas cenas, a do facão mesmo é fogo. E também necessário. Além, claro, de bem feito, pena que sofreu com o boicote das redes.

    • Kamila Azevedo 24 abril, 2016 at 22:24 Responder

      Amanda, não entendo o boicote sofrido pelo filme pelas grandes redes de cinema nos Estados Unidos. Entendo que lá o mercado é forte, mas acho que os cinemas deveriam andar junto com o Netflix, até porque se trata também de uma distribuidora, de um produtor de conteúdo. O filme é fortíssimo mesmo. Também o assisti depois de um tempo na minha lista do Netflix. 🙂

Deixe uma resposta