Aquarius

publicado em:15/11/16 11:05 PM por: Kamila Azevedo Cinema

Estamos na Praia de Boa Viagem, um dos cartões postais da cidade de Recife-PE. Entre prédios que representam o que existe de mais moderno na arquitetura, entre os muitos arranha-céus que ali existem e que escondem pessoas em suas vidas cotidianas, temos um pequeno prédio azul, construído numa época em que Boa Viagem ainda guardava um certo ar tranquilo e que teima em resistir ao tempo e aos avanços modernos.

Em um dos apartamentos do edifício Aquarius reside Clara (Sonia Braga), que tem 65 anos, é escritora, viúva, mãe de três filhos adultos e que vive em meio a livros e discos. De uma certa maneira, Clara também é uma resistente, por ser alguém que vive um estilo de vida mais tranquilo, boêmio e que foge da correria e da competitividade com as quais estamos acostumados. É a resiliência de Clara o alicerce de Aquarius, filme dirigido e escrito pelo pernambucano Kleber Mendonça Filho.

O grande conflito na trama do filme é o constante assédio que uma construtora faz sobre Clara, a única moradora do Aquarius, e pessoa que os impede de construir um novo local no espaço. Para ilustrar o conflito, o roteiro de Kleber Mendonça Filho coloca uma série de pressões, obstáculos e ameaças para que nós fiquemos com a impressão de que Clara não aguentará e poderá sucumbir e entregar o único apartamento que faltava para que os grandes empresários possam erguer um novo empreendimento no local.

Apesar disso, Aquarius é um filme que se apoia em metáforas, que enriquecem por demais o longa de Kleber Mendonça Filho. Quando passamos a conhecer Clara a fundo, vemos que ela não é uma estranha no ninho, e sim alguém que vive de acordo com os seus ideais e com aquilo que ela acredita. Quando passamos a conhecer Clara a fundo, percebemos que a sua teimosia em resistir ao assédio da construtora, não é uma prova de como ela é apegada materialmente ao que conquistou, e sim de que ela é alguém que entende que a estrada que ela percorreu – e está presente em cada cômodo daquele apartamento – contém os elementos que a transformaram na pessoa que ela é.

Talvez, por isso mesmo, Aquarius tenha tido uma ressonância muito grande dentro do momento político que vivemos recentemente. Como já mencionamos anteriormente, o filme é cheio de metáforas que podem ser compreendidas dentro dos mais diversos contextos. Neste sentido, Clara é um prato cheio! Uma mulher forte, cheia de convicções, e que resistiu, bravamente, aos mandos e desmandos de homens poderosos e sem escrúpulos, prontos para fazerem o que fosse necessário para conquistarem aquilo que queriam.

Entretanto, ao mesmo tempo, querer reduzir Aquarius ao nosso momento político é muito pouco… O longa de Kleber Mendonça Filho é muito mais do que isso e merece muito mais do que isso. Por ser uma obra que retrata lindamente a importância de nos mantermos fieis ao que realmente somos, mesmo que, para isso, paguemos o preço de sermos uma ilha solitária no meio dos avanços que são comuns à nossa vida em sociedade.

Aquarius (Aquarius, 2016)
Direção: Kleber Mendonça Filho
Roteiro: Kleber Mendonça Filho
Elenco: Sonia Braga, Maeve Jinkings, Irandhir Santos, Humberto Carrão, Zoraide Coleto, Fernando Teixeira, Buda Lira, Paula de Renor



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Fiquei com muita vontade de ver esse filme depois de ler sua crítica, Kamila. Eu já estava morrendo de vontade, aumentou..! Pena que nao chegou por aqui 🙁

Responder

Romeika, uma pena que ainda não tenha chegado na Dinamarca, Romeika! Mas, acredito que o filme retorna ao circuito comercial europeu com a campanha para o Oscar 2017 e as indicações que o filme têm recebido nas premiações prévias.

Responder

“Entretanto, ao mesmo tempo, querer reduzir Aquarius ao nosso momento político é muito pouco… O longa de Kleber Mendonça Filho é muito mais do que isso e merece muito mais do que isso.” – Disse tudo. Acho uma pena que muitas pessoas nem tenham visto o filme e queiram boicotá-lo por questões políticas, assim como o fato dele não ter sido a escolha do Minc para tentar a vaga do Oscar Estrangeiro. Um belo filme, sem dúvidas.

Responder

Deixe uma resposta