La La Land: Cantando Estações

publicado em:1/02/17 8:57 PM por: Kamila Azevedo Cinema

A primeira cena de La La Land: Cantando Estações, filme dirigido e escrito por Damien Chazelle, com a música Another Day of Sun, já nos deixa dentro do clima no qual o longa acontece. Esse é um musical sobre pessoas que chegam à cidade de Los Angeles, meca do cinema norte-americano, em busca da oportunidade de realizar um sonho: o de quem sabe, um dia, poder fazer parte desta grande indústria, que mexe com o imaginário de tanta gente.

La La Land: Cantando Estações é sobre pessoas como a sua própria atriz principal: Emma Stone, que, após convencer os pais, abandonou o colégio e se mudou com a mãe para Los Angeles, com o objetivo de dividir seus dias entre a educação escolar (que acontecia na própria casa delas) e os testes cansativos para filmes e programas de TV.

No fundo, existe uma razão que explica o sucesso de crítica e público que esse filme tem alcançado. A história de pessoas que buscam a realização de um sonho tem caráter universal. Ter como pano de fundo uma cidade (Los Angeles) que representa isso, em muitos sentidos, somente reforça o caráter simbólico de La La Land: Cantando Estações.

Ressoa ainda mais, nessa obra, a certeza de que esse caminho (de quem quer alcançar aquilo que mais deseja) é árduo, pode ser solitário (mas, ao mesmo tempo, ganha outra força se a gente tem alguém ao nosso lado para nos apoiar, não nos deixar sair do foco), tem dor, tem sofrimento, tem sacrifício, tem muitos nãos, tem lágrimas e exige a coragem necessária para a tomada de decisões difíceis.

Se, nem sempre as coisas terminam ou se desenvolvem do jeito que a gente imaginava, é porque isso faz parte da nossa jornada. Cada um percorre o caminho que tem que percorrer – alguns com atalhos mais fáceis, outros com um pouco mais de paciência e perseverança. Mas tudo vale a pena, se você deseja isso verdadeiramente e faz acontecer!

Independente de estarmos na Cidade dos Sonhos (ou na Cidade das Estrelas, como o filme tanto insiste); todos nós temos um pouco de Mia e Sebastian dentro da gente.

La La Land: Cantando Estações (La La Land, 2016)
Direção: Damien Chazelle
Roteiro: Damien Chazelle
Elenco: Emma Stone, Ryan Gosling, Rosemarie DeWitt, J.K. Simmons, Jason Fuchs, D.A. Wallach, Finn Witrock, John Legend, Tom Everett Scott

Indicações ao Oscar 2017
Melhor Filme
Melhor Ator – Ryan Gosling
Melhor Atriz – Emma Stone
Melhor Direção – Damien Chazelle
Melhor Roteiro Original – Damien Chazelle
Melhor Fotografia – Linus Sandgren
Melhor Montagem – Tom Cross
Melhor Direção de Arte – David Wasco e Sandy Reynolds-Wasco
Melhor Figurino – Mary Zophres
Melhor Triha Sonora Original – Justin Hurwitz
Melhor Canção Original – “Audition (The Fools Who Dream)”
Melhor Canção Original – “City of Stars”
Melhor Edição de Som
Melhor Mixagem de Som


Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


como gostei deste filme! ver ele no cinema é essencial, simplesmente lindo de se olhar.

e os temas e homenagens ao cinema do passado são contagiantes. acho estranho algumas críticas que ele recebeu em relação ao fato de um cara branco querer se destacar no jazz. o povo ama polemizar.

de qq forma, dos indicados ao oscar, fica atrás de moonlight na minha preferência.

Responder

Bruno, ainda não assisti a “Moonlight”, mas todos dizem se tratar de um grande filme. Acho que o aspecto mais positivo em “La La Land”, além da parte técnica, acaba sendo a mensagem principal do filme, que tem ressonância com a maioria de nós. Acho que as polêmicas vêm para tentar desacreditar o favoritismo do filme ao Oscar e isso tudo é uma grande besteira, algo desnecessário.

Responder

Sim, é fácil compreender o porquê do fascínio. Somos todos sonhadores e tem coisas incríveis no filme ainda que outras nem tanto. Acho que sua nota tá de bom tamanho, rs.

Responder

Amanda, pois é! Confesso que fui assistir a “La La Land” com uma expectativa altíssima, que não se converteu em realidade. O filme é ótimo, tem excelentes aspectos técnicos e uma trama com mensagem universal, mas eu acredito que faltou alguma coisa. O filme é impactante, mas não é memorável! No Filmow, me criticaram por dar 4 estrelas ao filme. Paciência! rsrsrs Bom ver que não estou sozinha nessa.

Responder

Muito bom filme, eu, ao contrário da maioria, fiquei no meio termo, nem se trata de uma obra-prima, muito menos é um filme pra ser desprezado. É sim, um filme muito bom, acima da média, diria.

Responder

Cassiano, também fiquei no meio termo, não achei uma obra-prima. Mas, não podemos negar a qualidade que o longa possui.

Responder

Deixe uma resposta