…E o Vento Levou

publicado em:27/04/17 11:53 AM por: Kamila Azevedo CinemaFilmes

É quase unânime entre os cinéfilos que 1939 é o melhor ano do cinema norte-americano. Nessa época, em que Hollywood vivia o auge do star system e do sistema de produção hollywoodiano, foram produzidas algumas das obras-primas da sétima arte, como: O Mágico de Oz, dirigido por Victor Fleming; Adeus Mr. Chips, dirigido por Sam Wood; A Mulher Faz o Homem, dirigido por Frank Capra; Ninotchka, dirigido por Ernst Lubitsch; O Morro dos Ventos Uivantes, dirigido por William Wyler; dentre outros. Entretanto, o expoente máximo dessa época, sem dúvida, é …E o Vento Levou, dirigido por Victor Fleming (que terminou, aliás, o trabalho iniciado por George Cukor e Sam Wood).

Baseado num dos maiores clássicos da literatura norte-americana, o livro homônimo escrito por Margaret Mitchell, …E o Vento Levou é um épico que conta a história do velho Sul e se passa durante a Guerra da Secessão, que ocorreu entre 1861 e 1865, entre os Estados Confederados da América (que eram escravagistas) e os Estados da “União” ou do Norte, como eram conhecidos aqueles que não viviam mais a escravidão. A história enfoca um grupo particular de personagens, na sua maioria jovens filhos de grandes fazendeiros, que vão ser os mais afetados pela Guerra que está ocorrendo.

De um lado, temos Scarlett O’Hara (Vivien Leigh, em performance vencedora do Oscar 1940 de Melhor Atriz), a herdeira da propriedade Tara. Uma jovem impetuosa, orgulhosa e determinada, que não mede as consequências em busca daquilo que mais deseja. Por outro lado, temos tipos como Ashley Wilkes (Leslie Howard), por quem Scarlett é apaixonada, herdeiro de Twelve Oaks, e noivo (posteriormente, marido) de Melanie (Olivia de Havilland, em performance indicada ao Oscar 1940 de Melhor Atriz Coadjuvante), jovem de bom coração e de firmeza de propósitos.

…E o Vento Levou se apoia no triângulo amoroso que se desenha entre estas três personagens para nos contar justamente a história de sofrimento, de amadurecimento, de decadência econômica e de superação das dificuldades que todos eles vão viver, em meio à Guerra, à crise econômica que se alastra após o conflito e as oportunidades de crescimento que surgem após os Estados Unidos se unificarem novamente.

O triângulo amoroso vira quadrilátero amoroso quando Rhett Butler (Clark Gable, em performance indicada ao Oscar 1940 de Melhor Ator), um aventureiro rico, cínico e sedutor entra na vida de Scarlett, oferecendo a ela tudo aquilo que ela mais desejava: uma vida de luxos e de glamour, com proteção e segurança.

Um verdadeiro clássico do cinema norte-americano, …E o Vento Levou foi indicado a 13 Oscars, dos quais venceu 10 estatuetas, incluindo dois prêmios pelo pioneirismo do filme no uso das cores (em 1939 estava sendo introduzido o sistema technicolor) e de equipamentos coordenados em sua produção. A obra é grandiosa, digna de seu produtor, o lendário David O. Selznick; e nos rendeu alguns momentos clássicos do cinema, como cenas e diálogos inesquecíveis, uma trilha sonora marcante e uma fotografia belíssima, além de uma das principais anti-heroínas que o cinema/literatura conheceu!

…E o Vento Levou (Gone With the Wind, 1939)
Direção: Victor Fleming
Roteiro: Sidney Howard, com a colaboração de Oliver H.P. Garrett, Ben Hecht, Jo Swerling e John Van Druten (com base no livro escrito por Margaret Mitchell)
Elenco: Vivien Leigh, Hattie McDaniel, Leslie Howard, Olivia de Havilland, Clark Gable, Carroll Nye, Harry Davenport, Leona Roberts, Ona Munson



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários



Deixe uma resposta