The Post: A Guerra Secreta | Resenha Crítica

publicado em:6/02/18 10:49 AM por: Kamila Azevedo Cinema

A Guerra do Vietnã foi um conflito que aconteceu no auge da Guerra Fria e, em decorrência disso, um dos argumentos mais fortes utilizados pelo governo norte-americano para justificar a importância da manutenção das tropas nos países envolvidos na batalha era justamente a necessidade de se conter o avanço comunista no mundo. Em meio a esse embate entre o mundo livre e o mundo comunista, se passaram 20 anos (de 1955 a 1975) e, no final, houve uma das derrotas mais acachapantes do país mais poderoso do mundo naquele período.

Quando The Post: A Guerra Secreta, filme dirigido por Steven Spielberg começa, acompanhamos um debate que é feito entre o então Secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert McNamara (Bruce Greenwood), e seus auxiliares, sobre se o país está fazendo os avanços necessários que garantam a vitória durante a Guerra. Um estudo encomendado pelo governo norte-americano e as opiniões dos assessores eram unânimes: os Estados Unidos não estavam avançando e deveriam se retirar do conflito. Entretanto, apesar das evidências em contrário, a decisão do Secretário foi a de que as tropas norte-americanas continuariam por lá.

Apesar de ter como pano de fundo histórico a Guerra do Vietnã, a verdade é que The Post: A Guerra Secreta tem como enfoque principal a redação jornalística do Washington Post, que, em 1971, era um jornal de médio porte e que, em meio a uma grande crise, estava prestes a abrir seu capital para o mercado financeiro, de forma a atrair investidores. Tendo ao redor esta conjuntura, o editor-chefe do jornal, Ben Bradlee (Tom Hanks), e a publisher Kay Graham (Meryl Streep) têm que tomar uma importante decisão quando chega ao conhecimento deles o trabalho que ficou conhecido como Pentagon Papers – justamente o estudo encomendado por Robert McNamara sobre a Guerra do Vietnã e que revelava que o governo norte-americano havia expandido suas ações na batalha, quando o anúncio público era justamente o contrário. A revelação desses documentos causou embaraço público ao governo do então Presidente Richard Nixon e foi considerado uma grande ameaça pública ao sistema de defesa norte-americano, bem como suscitou um processo público contra os jornais que divulgaram estas informações (além do Washington Post, o New York Times), o que caracterizou o crime de censura num país que valoriza por demais a sua liberdade.

Filmes como The Post: A Guerra Secreta nos relembram sobre a importância de termos uma imprensa livre – ecoa durante o longa uma frase proferida por um dos juízes da Suprema Corte norte-americana que trabalhou no caso dos jornais contra o governo norte-americano: a que de “a imprensa deve servir aos governados, e não aos governantes”. Além disso, nos mostra como é fundamental que a população tenha o desenvolvimento de um jornalismo sério, ético, responsável e comprometido com os fatos – ao invés de se preocupar com os jogos de interesse de mercado.

Um filme de caráter documental, apoiado na força do roteiro escrito por Liz Hannah e Josh Singer e nas atuações de Tom Hanks e de Meryl Streep, bem como de um elenco de coadjuvantes afiado, The Post: A Guerra Secreta apresenta um Steven Spielberg na sua melhor forma – repetindo, em muito, os elementos que fizeram de Munique (filme que ele mesmo dirigiu em 2005) uma grande obra. Merecia até mais reconhecimento do Oscar 2018.

The Post: A Guerra Secreta (The Post, 2017)
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: Liz Hannah e Josh Singer
Elenco: Meryl Streep, Tom Hanks, Sarah Paulson, Bob Odenkirk, Tracy Letts, Bradley Whitford, Bruce Greenwood, Matthew Rhys, Alison Brie, Carrie Coon, Jesse Plemons, David Cross

Indicações ao Oscar 2018
Melhor Filme
Melhor Atriz – Meryl Streep

Avaliação/Nota

Nota
9.0

Média Geral



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária


Comentários



Deixe uma resposta para Kamila Azevedo Cancelar resposta