Entrando numa Fria Maior Ainda com a Família

publicado em:3/02/11 10:38 PM por: Kamila Azevedo Cinema

A dinâmica dos filmes da série “Entrando Numa Fria” são muito bem definidas. Todos os roteiros se apóiam na tensão da relação entre Greg Focker (Ben Stiller) e seu sogro Jack Byrnes (Robert De Niro). Se, no primeiro filme, o conflito vem da tentativa de Greg em receber a aprovação de Jack (isso, aliás, é uma constante em todos os longas da série); o segundo filme nos apresentava a um elemento novo e que acrescentou muito a esta história: as figuras dos pais de Greg, os exóticos Roz (Barbra Streisand) e Bernie (Dustin Hoffman) Focker. O terceiro filme da franquia quer utilizar a influência de pai e avô em cima dos filhos gêmeos de Greg e Pam (Teri Polo) para ilustrar essa tensão. Mas, a storyline das crianças Focker (que dão nome, aliás, à esta obra) é tão fraca que ela mesma fica em segundo plano – ao duro custo da péssima utilização de uma ótima atriz como Laura Dern, diga-se de passagem.

Em “Entrando Numa Fria Maior Ainda com a Família”, a desconfiança de Jack pra cima de Greg atinge um ápice por duas razões em particular: a saúde frágil do patriarca da família Byrnes e o fato de que seu outro genro traiu a sua outra filha. Todos os olhos de Jack estão em cima de Greg e o tema principal deste longa acaba sendo a verdadeira briga que se desenvolve entre os dois personagens pelo controle, não só das diversas situações que se apresentam, como também sobre a família Focker em si  – ou seja, a luta aqui é para marcar território, para ver quem dá as cartas e quem manda.

Se as piadas advindas do eterno conflito entre Jack e Greg não alcançam aqui o mesmo nível dos outros filmes da série, o roteiro escrito por John Hamburg (diretor de comédias como “Quero Ficar com Polly” e “Eu Te Amo, Cara”) e Larry Stuckey coloca uma peça bem interessante em “Entrando Numa Fria Maior Ainda com a Família”: a personagem Andi Garcia (Jessica Alba) – sim, o trocadilho com o ator homônimo é proposital -, uma representante de remédios que trabalha diretamente com Greg – e que, claro, será alvo preferencial das desconfianças de Jack. É Alba, por incrível que pareça, que rende alguns dos bons momentos cômicos deste filme.

O curioso em “Entrando Numa Fria Maior com a Família” é que todo o filme tem um tom de acerto de contas entre Jack e Greg, como se eles estivessem rumo a uma trégua, à aceitação que tanto era buscada. O tempo inteiro a gente fica com a sensação de que essa história está chegando ao seu ciclo final, mas Hollywood não dá ponto sem nó. Na cena final, logo nela, é soltada uma revelação que muda todo o contexto… Se preparem para mais aventuras da família Byrnes/Focker…

Cotação: 5,0

Entrando Numa Fria Maior com a Família (Little Fockers, 2010)
Direção: Paul Weitz
Roteiro: John Hamburg e Larry Stuckey (com base nos personagens criados por Greg Glienna e Mary Ruth Park)
Elenco: Robert De Niro, Ben Stiller, Owen Wilson, Dustin Hoffman, Barbra Streisand, Blythe Danner, Teri Polo, Jessica Alba, Laura Dern, Thomas McCarthy, Harvey Keitel



Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


No primeiro filme funcionou muito bem, no segundo ficou bobo, mas assistível. Agora, acho que já deu. E o filme passou bem despercebido por aqui, vou deixar para DVD.

Beijos! 😉

Responder

Falaram tão mal desse filme, e eu nunca vi os dois originais. Portanto, nada muito me motiva. Talvez assista por De Niro e Hoffman.

Responder

Rodrigo, se você não assistiu aos dois filmes originais, então, nem se incomode em assistir a este terceiro…

Responder

Um super elenco que não ajudou em nada, os atores pareciam desinteressados em atuar no filme, pelas atuações deixaram bem claro que só fizeram o longa por causa do dinheiro. Me recuso a acreditar que possa haver um outro filme para a série.
Abs.

Responder

Jonathan, mas, é difícil se mostrar interessado em atuar num filme que tem um roteiro horrível mesmo! Acho que eles só fizeram este longa por causa de comprometimentos prévios. Espero que você esteja certo e este tenha sido o último filme da série! Abraços!

Responder

Eu achei esse filme muito ruim.O 1° é bom,mas a continuação já era fraca.Robert De Niro e Ben Stiller não precisavam dessa “Trilogia”.Não vou rever.Assim espero.Bjs.

Responder

Eu vi Dustin Hoffman e Robert De Niro no David Lettermann e já perdoei os dois. Não dá pra ficar bravo por muito tempo com esses caras que já nos deram tantas alegrias!

Bjs!

Responder

O primeiro é legal, o segundo já achei forçado, e esse terceiro é lamentável mesmo. Mais lamentável ainda é a possibilidade de vir um quatro, hehe. Não, Kamila, vamos pensar que não.

Responder

Paulo, exatamente. O primeiro filme foi bom e a continuação já foi fraca… Concordo que De Niro não precisava dessa trilogia! Beijos!

Otavio, exatamente. Beijos!

Amanda, exatamente!! Tomara que NÃO venha o quarto! rsrsrsrs

Responder

Tá, o primeiro foi legal… o segundo questionável… mas o terceiro??? Já deu, né. Ver Laura Dern, Barbra Streisand e Robert DeNiro é de dar pena!

^^

Responder

Reinaldo, mais contras que prós, né??? beijos!

Cleber, eu gosto do Stiller!

Junior, exatamente. Concordo!

Responder

De Niro deve estar bem arrependido de ter feito esse filme, hehe. Eu gostei, na medida do possível, dos dois primeiros. Boas piadas, bons atores.

Mas nesse terceiro a coisa desanda. A história é mesmo bem fraca, não se sustenta. Hollywood às vezes não sabe a hora de parar.

Responder

Mateus, deve estar, mas ele o fez, não fez?? Então, ele sabia onde estava se metendo! rsrsrsrs

Responder

Amei este filme, meu preferido foi a primera. Gosto todos os filmes de Robert De Niro, desde dos filmes de acção até as comédias românticas. Qual é o seu filme preferido do Robert De Niro? Eu te recomendo em Hands of Stone , é uma história brilhante.Sinceramente os filmes de ação não são o meu gênero preferido, mas devo reconhecer que Mãos de Pedra superou minhas expectativas. Adorei está história, por que além das cenas cheias de ação extrema e efeitos especiais, realmente teve um roteiro decente.

Responder

Deixe uma resposta