Lendo – “O Avesso da Cena”

publicado em:6/07/11 1:37 AM por: Kamila Azevedo Livros

“O especialista é aquele que sabe cada vez mais sobre cada vez menos, até saber tudo de nada”. (p. 53)

Como bem fala o produtor e gestor cultural Romulo Avelar na abertura do livro “O Avesso da Cena – Notas sobre Produção e Gestão Cultural”, o setor cultural, no Brasil, tem crescido em uma velocidade constante e notável. Entretanto, apesar de todo o progresso visto nesta área, ainda pode ser notado um grande despreparo entre os profissionais que atuam neste campo. Se a capacitação de pessoal para uma área que se mostra cada vez mais dinâmica e seletiva é um grande desafio, então a obra que o próprio Avelar escreveu vem para preencher uma grande lacuna que existe, uma vez que são poucas as publicações especializadas neste tipo de assunto.

Neste sentido, o livro escrito por Romulo Avelar, além de altamente didático e de fácil compreensão, é um dos mais completos sobre o assunto. Em “O Avesso da Cena”, o autor fala, praticamente, sobre todas as atividades que envolvem hoje a prática de Produção e de Gestão Cultural no Brasil. No livro, podemos encontrar desde a contextualização da atual realidade cultural brasileira (com seu caráter de mecenato, de total dependência das leis de incentivo à cultura e captação de recursos), passando pela definição do que é ser um produtor e um gestor cultural, até chegar à parte mais prática dessas profissões, por meio da discussão de temas, como: a relação com os artistas, a relação com o poder público, a relação com as empresas, a relação com o público, a pré-produção, a produção, a pós-produção, a produção de turnês, a produção de eventos culturais, os aspectos legais da profissão e a gestão de grupos e de instituições culturais.

Mais do que um guia para aqueles que pretendem enveredar pelo campo da Produção e da Gestão Cultural, “O Avesso da Cena” funciona também como um registro de diversas iniciativas culturais pelo Brasil afora que deram muito certo, devido ao seu enorme profissionalismo, como: o Galpão Cine Horto, em Belo Horizonte; o Teatro Vila Velha, em Salvador; a Usina do Gasômetro, em Porto Alegre; a Cooperativa Paulista de Teatro, em São Paulo; o Festival de Jazz & Blues de Guaramiranga; no Ceará; o Teatro do Sesi do Rio Vermelho, na Bahia; dentre outras. Além disso, o livro traz importantes depoimentos em que produtores e gestores culturais de diversos lugares do Brasil compartilham suas experiências – boas e ruins – na profissão, de forma a enriquecer ainda mais o trabalho feito por Romulo Avelar, que é uma daquelas obras de atualização profissional que acertam em cheio ao aliar teoria com a prática, bem como ao fazer uso de exemplos reais que ajudam a gente a compreender as diversas situações que ele retrata nos muitos capítulos de seu livro.

Até a presença de cursos regulares de extensão, técnicos e de especialização, de graduação, de mestrado e de doutorado na área de Produção e Gestão Cultural, a formação dos profissionais que trabalhavam nesta área era feita de forma muito intuitiva, com o aprendizado sendo feito na prática do dia a dia da profissão. O profissional que decide trabalhar com Produção Cultural deve possuir um perfil dinâmico para compreender as diferentes linguagens artísticas e para poder também viabilizar, de forma prática, os “devaneios” artísticos daqueles que movem o campo da cultura. Por isso mesmo a importância de “O Avesso da Cena”, que retrata os percalços e os obstáculos a serem vencidos, dia a dia, por aqueles que se propõem a transformar os sonhos em realidade.

O Avesso da Cena – Notas sobre Produção e Gestão Cultural (2010 – 2ª Edição)
Editora: Duo Editorial
Autor: Romulo Avelar

Pós-Edição: A terceira edição do livro foi lançada em março/2013. Para adquirir um exemplar de “O Avesso da Cena – Notas sobre Produção e Gestão Cultural” é só entrar no site oficial da obra: http://www.oavessodacena.com.br.



A última modificação foi feita em:Março 24th, 2013 as 1:29 am


Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


É importante analisar no momento mais importante do cinema nacional no qual a cada momento se entra no eixo de como ter uma estrutura de porte de cinemas que tanto admiramos, porém é melhor ainda ver que o próprio autor reconhecer as falacias e as dificuldades do despreparo de quem faz.

Muitas vezes buscamos a resposta do por que o cinema nacional está assim. Devemos em primeiro lugar criar mais debates sobre o tema e principalmente analisar o fundamental, ver a alegria do espectador em saber que um produto made in brazil pode fazer frente a grandes empresas de cine.

Só falta mióra ainda mais eheheh
Beijos Milla!

Responder

João, exatamente. Acho que o cerne da produção de cinema no Brasil, como de toda a produção cultural no geral, passa pela forma de financiamento…. Há que se repensar todo esse sistema de leis de incentivo, de forma que eles realmente descentralizem o investimento de recursos e democratizem o acesso à cultura. Beijos!

Responder

Parece mesmo, bem interessante. No que tange o cinema nacional, acho que uma importante questão é a distribuição, enquanto as multinacionais dominarem o mercado, os filmes brasileiros não vão conseguir lucrar a ponto de criar uma indústria e assim, depender menos de leis de incentivo, por exemplo.

Responder

Parece ser uma obra de grande relevância para compreender como funciona todo esse mecanismo…

Nosso cinema realmente é um tipo de mecenato… mas acho difícil que isso mude…

Enfim, parece ser uma boa leitura pra quem quer conhecer mais do assunto.

Abraços!

Responder

Amanda, também acho que, no que se refere ao cinema brasileiro, a questão da distribuição é um grande problema…

Bruno, é sim, uma obra de muita relevância. Abraços!

Responder

É um assunto que muito me interessa. Procurei nas livrarias online aqui (Saraiva, Livrarias Curitiba, Submarino), mas não achei. Sabe onde encontro?

Ainda é caríssimo fazer cinema no Brasil. Principalmente para o idealizador. Se você decide fazer o filme, mesmo sem apoio, e tirando do próprio bolso, você não consegue o mínimo de distribuição por não contar com uma grande produtora no projeto. A mentalidade é muito elitista. É muito fácil a Petrobrás, a Claro ou o Itaú estamparem lindamente em suas propagandas a frase de que apoiam a cultura no país. Mas aí você vai ver o tipo de produções e percebe aquele apelo Globo. O cinema independente não tem a menor força.

Claro que muita coisa melhorou de uns anos para cá e ainda acredito no nosso cinema. Mas penso quanta gente fantástica temos sem conseguir produzir. Quantos filmes do Didi e da Xuxa bancariam essa gente. Também reconheço a importância desses 2 e do chamativo Global, o quanto ainda geram de bilheteria. Se pelo menos as grandes produtoras pensassem de maneira mais ampla, no sentido de que a cada filme de massa que gerasse renda, x filmes autorais poderiam ser feitos.

Cada vez que o cinema nacional tenta imitar o dos EUA, pode realmente fazer sucesso aqui, já que o modelinho de receita de bolo funciona bem pra isso. Mas esse tipo de filme jamais vai fazer sucesso lá fora, pois ainda fica muito além da qualidade deles. Ainda assim, o que daria motivação ao público estrangeiro de ver um filme Brasileiro seria justamente o fato de apresentar um novo olhar de cinema, tal qual acontece com o francês, espanhol, japonês, mexicano e até aqui do lado na Argentina. Cada filme NOSSO que fizesse sucesso lá fora abriria mais portas para o nosso cinema, o que geraria mais distribuição, patrocínio, credibilidade, apoio, tanto lá quanto aqui e aí sim fortaleceria uma indústria brasileira.

Em conjunto a isso, estimular festivais, oferecer benefícios, diminuir a burocracia, fazer campanha de valorização do cinema nacional. Precisamos de movimentos cinematográficos, manifestos, algo que estimule a experimentação, que nos faça sair do lugar comum em que estamos caindo e parece que nos acomodamos. Precisamos do nosso próprio Dogma 95. Vamos lá, façam um movimento que proíba Favela-Comédia Romântica-Final Feliz, procurem influências de Vinícius de Morais, Bossa Nova, Caetano Veloso, Chico Buarque. Precisamos de ar.

Desculpe o texto longo aqui, talvez até tenha me perdido e misturado assuntos, hehe.

Responder

Victor, não sei! Ganhei esse livro, porque estou fazendo um curso nessa área… A verdade é que a produção cultural no Brasil, hoje, depende das leis de incentivo à cultura e captação de recursos. Essa é uma realidade que não irá mudar por um bom tempo! Eu acho que você levanta questões importantíssimas em seu comentário, mas eu acho que o firmamento do cinema nacional passa por encontrar sua própria identidade, fazendo filmes que tenham uma linguagem mais universal e que não fiquem olhando somente para a nossa sociedade. Às vezes, olhar o mundo de fora, faz com que a gente compreenda mais o que a gente tem aqui dentro. Precisa-se ter esse olhar, entende??? Perfeito comentário! Não precisa se desculpar! 🙂 Ele é muito pertinente!!!

Responder

so faltava colocar o livro a venda… to tentando achar pra comprar essa merda ja tem um tempo… e puta que pariu o autor escreveu e deu pra mãe dele …

Responder

asfcawdgafva, você já tentou no site da Livraria Cultura? Eu ganhei esse livro por causa do curso que estou fazendo em Produção Cultural.

Responder

Pessoal,

Infelizmente, a loja virtual que vendia o meu livro saiu do ar. Enquanto o problema não é solucionado, coloco à disposição de vocês o e-mail da Maria Helena Cunha, da Duo Editorial: mhcunha@duo.inf.br . O livro pode ser enviado pelo correio.

Deixo aqui também o meu e-mail: ravel@uai.com.br .

Um abraço para a Kamila e para todos,

Romulo Avelar

Responder

Romulo, que honra a sua visita! Muito obrigada pelas informações prestadas! E espero que tenha gostado do texto sobre seu livro! 🙂 Abraços!

Responder

Deixe uma resposta