Cazuza: O Tempo Não Pára

publicado em:24/05/13 1:20 AM por: Kamila Azevedo Filmes

Os dois maiores poetas da geração dos anos 80 foram, sem dúvida alguma, Renato Russo e Cazuza. Além de serem ótimos letristas, com uma capacidade tremenda de traduzir sentimentos; Renato e Cazuza tinham muito mais coisas em comum: ambos eram extremamente intensos e meio “loucos”. Os dois, talvez prevendo o futuro que os aguardava, viviam cada dia como se fosse o último. Morreram jovens, em decorrência da mesma doença, a AIDS. Mas, por uma razão que ninguém entende, a nossa geração (a dos anos 90) só conhece a obra de um deles: Renato Russo.

Com o objetivo de apresentar ao público jovem a personalidade e a música de Cazuza, de fazer com que a geração dos anos 80 relembre aquela figura e as aventuras vivenciadas naquele período e de prestar uma homenagem àquele que é um dos maiores compositores brasileiros; foi que Sandra Werneck (“Amores Possíveis”) e Walter Carvalho (o diretor de fotografia de “Central do Brasil”) se uniram para dirigir “Cazuza – O Tempo Não Pára”, um projeto inicialmente idealizado por Daniel Filho, diretor da Globo Filmes.

O filme tem um roteiro levemente baseado no livro “Só as Mães São Felizes”, de Lucinha Araújo, a super mãe de Cazuza (Lucinha era superprotetora; preocupada com o filho e queria ter ele sempre por perto, pois assim achava que o salvaria de se meter em encrencas); e cobre a vida de Cazuza a partir do momento em que ele desperta para a sua vocação musical (pelas mãos de Ezequiel Neves – no filme interpretado pelo surpreendente Emílio de Mello –, ele se torna o líder do Barão Vermelho, de onde sairia para uma bem-sucedida carreira solo) até o dia de sua morte, em 1990, depois de sofrer com os efeitos do vírus HIV no seu corpo.

A descoberta da infecção pelo vírus é um ponto de transformação e de divisão no filme, marcada também pela chocante e dura transformação física do ator Daniel de Oliveira, que incorpora (essa é a palavra certa) Cazuza. Entretanto, a doença em si não chega a ser um ponto de transformação na personalidade de Cazuza, uma vez que ele ganha mais força para trabalhar; continua sendo superprotegido e paparicado por Lucinha (Marieta Severo, ótima); em contraponto à figura do pai, João (Reginaldo Faria, que aparece pouco, mas é eficiente nas suas cenas), que libera, mas sabe cobrar no momento certo; e se mantém rodeado de amigos irradiando a mesma alegria e senso de humor irônico que possuía.

“Cazuza – O Tempo Não Pára” tem falhas gritantes, a maioria delas no que diz respeito à linha de tempo do filme (os pulos no tempo são muitos). Entretanto, este é um longa que funciona e emociona – sem apelar para cenas de emoção barata –, ao se apoiar, justamente, naquilo que Cazuza fez de melhor: escrever (e, em outros casos, prever), cantar tudo aquilo pelo qual ele havia passado e, principalmente, viver.


Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Não é um grande filme mesmo, mas cumpre sua missão. E Daniel Oliveira está muito bem mesmo, “incorporando” Cazuza como você disse.

Uma coisa que me irritou na época, não tem muito a ver com o filme em si, mas com a trilha sonora. Me dei ao trabalho de comprar o CD e as músicas não estão completas lá, apenas o trecho que toca no filme, um dos maiores absurdos que já vi. Ou melhor, ouvi. hehe.

Responder

Amanda, sim, é um filme que cumpre a sua missão. Acho a atuação do Daniel de Oliveira uma das melhores em anos recentes. Não sabia dessa do CD da trilha sonora. Que absurdo! Uma enganação!

Responder

Vale pela atuação de Daniel de Oliveira e também de Emilio de Mello, mas o filme em si é apenas razoável.

Acredito que por ser uma história muito conhecida, a vida do cantor esteve quase sempre debaixo dos holofotes, o filme acabou trazendo pouca coisa de novo.

Até mais

Responder

Realmente o Daniel de Oliveira incorporou o Cazuza, principalmente nos momentos derradeiros. A atuação dele é de longe a melhor coisa do filme. Essas falhas gritantes atrapalhara ma experiência para mim como um todo, tanto que dei 6/10 na época. De qualquer forma, Cazuza foi um grande compositor e merece ser lembrado…

Responder

Hugo, concordo com seu comentário. Gosto do filme, mas acho que faltou uma certa ousadia na direção.

Bruno, o Daniel de Oliveira é unanimidade, em se tratando desse filme. Performance excelente. Mas, o filme tem, sim, certas falhas.

Responder

Deixe uma resposta