Entrando Numa Fria Maior Ainda

publicado em:8/08/13 7:11 PM por: Kamila Azevedo Filmes

Na comédia “Entrando Numa Fria”, do diretor Jay Roach (o mesmo da série “Austin Powers”), acompanhamos a história de Greg – que, na verdade, se chama Gaylord – Focker (Ben Stiller), um enfermeiro completamente apaixonado pela namorada Pam Byrnes (Teri Polo). Greg pretende pedir a mão de Pam em casamento, mas a namorada o adverte de que primeiro ele tem que conseguir a bênção de seu pai, o durão Jack (Robert DeNiro). É assim que Greg se vê passando um final de semana horroroso na casa dos pais de Pam, quando tudo dá errado enquanto Greg faz de tudo para entrar no Círculo de Confiança de Jack, que Greg acaba descobrindo ser um agente aposentado da CIA.

É justamente o Círculo de Confiança de Jack (entrar nele significa fazer parte definitivamente da família Byrnes) o elemento mais importante do roteiro de “Entrando Numa Fria Maior Ainda”, filme que reúne a equipe do primeiro filme novamente. Na continuação, Greg e Pam ainda não se casaram, pois antes de marcar a data do casamento, Jack quer conhecer os pais do futuro genro. Então Jack, a esposa Dina (Blythe Danner, mais conhecida por ser a mãe de Gwyneth Paltrow), a filha Pam e Greg irão viajar para passar um final de semana na ilha na qual Bernie (Dustin Hoffmann) e Roz Focker (Barbra Streisand, na sua primeira aparição nas telas desde “O Espelho Tem Duas Faces”) – os pais de Greg – moram.

Enquanto os Byrnes são formais e, de certa maneira, frios; os Focker são amáveis, expansivos e não têm vergonha de mostrar o afeto que sentem um pelo outro – e pelos visitantes. É evidente o desconforto que se instala entre eles, o que obriga Greg a pedir que os pais sejam menos “entusiasmados” na presença de Jack. As diferenças não param por aí: os Focker possuem ideias bastante sólidas sobre instituições norte-americanas como a CIA e valores como a competitividade. Nem precisa dizer que as ideias deles são contra tudo aquilo que Jack preza – e prega.

Quem assistiu “Entrando Numa Fria” deve ter lembranças vívidas dos infortúnios que aconteceram com Greg na casa dos Byrnes: a mala dele foi extraviada, ele teve que usar roupas ridículas, a descarga do quarto dele emperrou, o gato de Jack desapareceu (e, como não conseguia encontrar o animal, Greg pegou outro gato e o pintou), ele quebrou o vaso com as cinzas da mãe de Jack, passou por um detector de mentiras e, para terminar, ainda quebrou o nariz da irmã de Pam (que iria se casar no mesmo final de semana). Situações parecidas acontecem em “Entrando Numa Fria Maior Ainda”. No entanto, os momentos mais engraçados do filme vêm dos pais de Greg: um advogado que largou a carreira para se dedicar à paternidade e a mãe terapeuta sexual da terceira idade, que não irá cansar até conseguir liberar todo o lado “caliente” de Jack e, consequentemente, trazer a paixão de volta ao casamento dele com Dina.

“Entrando Numa Fria Maior Ainda” repete o mesmo estilo que deu sucesso ao primeiro filme: Greg passa por toda série de acontecimentos desastrosos, que desencorajariam qualquer pessoa a continuar tendo um relacionamento com alguém; mas o efeito é justamente o contrário: o amor de Greg por Pam ao invés de diminuir só aumenta e se fortalece. Entretanto, tal trama fica em segundo plano na continuação. No filme, Ben Stiller abdica do seu papel de astro (graças a Deus), deixando este papel para Robert DeNiro, Dustin Hoffmann e Barbra Streisand. É por causa deles que o filme vale a pena.



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


É, repete a fórmula e abusa dela, rs. Acho que o primeiro filme até funciona enquanto comédia boba e divertida, mas a partir daqui, a coisa começa a ficar exagerada e gratuita demais.

Responder

Amanda, abusa mesmo! rsrsrsrsrs Gosto muito do primeiro filme, pelo ineditismo da trama, por ser um filme engraçado e legal, mas concordo que a partir da continuação, os envolvidos começam a apostar na mesma fórmula e tudo se torna muito repetitivo.

Responder

Deixe uma resposta