A Vila

publicado em:12/09/13 1:00 AM por: Kamila Azevedo Filmes

Depois dos ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001, os Estados Unidos, ao que parece, viraram um país sitiado, que vive recluso, à espera da próxima – e nova – ameaça. Seus habitantes também adotaram uma postura similar ao se afastarem uns dos outros, com medo de que o ser ao seu lado seja o próximo – ou novo – agente de destruição e dor. A vila que é mostrada pelo diretor M. Night Shyamalan em filme escrito e dirigido por ele mesmo em 2004 pode ser considerada como uma metáfora da situação pela qual passaram os norte-americanos.

A vila fica localizada em uma parte isolada de uma montanha. Suas poucas casas e, consequentemente, seus reduzidos habitantes vivem de maneira reclusa e não interagem com membros de cidades mais próximas. Na vila, tudo é decorado com tons neutros e limpos (mesmo tom das roupas dos moradores) que, talvez, representem o baixo estado de espírito da população. E, assim como na vida real, eles lutam contra uma ameaça: a de criaturas que vivem no bosque situado em frente à comunidade. É estritamente proibida a passagem de membros dos dois grupos de um lado para o outro. Curiosamente, os habitantes da vila referem-se às criaturas do bosque como “aqueles sobre quem não devemos falar”. Ironicamente, eles são o único assunto da comunidade – seja nas casas, varandas, plantações e na Assembleia dos Dirigentes. Até mesmo o dia-a-dia deles segue cuidados rigorosos que evitam o contato com o outro lado.

A dinâmica das relações na vila segue o modelo que conhecemos na realidade. Existe o líder – Edward Walker (William Hurt), que reúne em si qualidades como compaixão e a capacidade de convencer bem os seus liderados –, os seguidores de Edward – os outros dirigentes da comunidade -, os bagunceiros – como o deficiente mental Noah Percy (Adrien Brody) – e os contestadores – como Lucius Hunt (Joaquin Phoenix), que querem ultrapassar as fronteiras do bosque com o intuito de defender o povoado. No meio deles, encontram-se as irmãs Kitty e Ivy (Bryce Dallas Howard, em sua estreia como atriz, em performance que poderemos considerar como a melhor coisa do filme), filhas de Edward e que servem de professoras para as crianças da comunidade. A aura de perfeição da vila ameaça estar com os seus dias contados quando uma série de acontecimentos começa a ocorrer (morte de crianças, moradores caem doentes, animais são mortos de forma cruéis e misteriosas, somados a atos de violência cometidos contra moradores do povoado). As redes que dominam as relações na vila se vêem, então, obrigadas a refletir sobre o seu modo de vida: de que adianta criar uma redoma de proteção contra a dor se ela, inevitavelmente, acaba alcançando a todos nós?

M. Night Shyamalan, sem dúvida, antes de sua carreira entrar em declínio, poderia ser considerado como um dos maiores especialistas em filmes de suspense do cinema recente. Em “A Vila”, ele repete sua fórmula ao realizar um filme intrigante e que se apóia nos pilares do gênero de suspense – como a boa música (merecidamente indicada ao Oscar 2005) e as performances do seu elenco. No entanto, o tiro, desta vez, infelizmente, saiu pela culatra e o público não se entusiasmou tanto assim pelo filme. Tudo bem que o segredo da vila é revelado na metade da história; mas, o filme de Shyamalan é mais do que um mero suspense. Ele nos diz que, mesmo nos piores momentos, o amor é o que nos segura e nos mantêm lutando. E é disso que nós e o mundo estamos precisando – basta que nós abaixemos as barreiras que não permitem que este sentimento nos alcance.



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Com certeza o filme pode ser considerado uma metáfora e isso o deixa ainda mais interessante. O suspense é muito forte e a reviravolta causa impacto. É o Shyamalan mostrando do que é capaz, com espaço até pare a exaltação do amor.

Sou fã de Sinais (meu preferido do diretor), Sexto Sentido, Corpo Fechado e A Vila.Considero Fim dos Tempos razoável e O Último Mestre do Ar e A Dama na Água duas bombas gigantescas. Ainda não assisti Depois da Terra, mas os comentários não foram nada encorajadores . Uma pena, o cara tem talento.

Responder

Bruno, concordo plenamente com seu comentário. Do Shyamalan, gosto, nessa ordem: “O Sexto Sentido”, “A Vila”, “Corpo Fechado”. “Sinais”, pra mim, é razoável. O resto é ruim. Também não assisti ainda a “Depois da Terra”. Acho que ele sucumbiu ao ego dele.

Responder

Gosto da metáfora, e do clima de A Vila até o momento em que o mistério é revelado. Neste ponto, acho que a trama cai, não pelo o que é revelado, mas pelo momento e pela forma, perde muito do impacto da travessia da floresta, tendo que criar outro ponto de tensão (o maluco), que acho que perde um pouco do significado anterior.

Responder

Amanda, concordo que a revelação faz com que a trama caia um pouco. Mesmo assim, ainda gosto muito de “A Vila”, que considero ser um dos melhores filmes do Shyamalan.

Responder

É o meu filme favorito de M. Night Shyamalan – e, sem dúvida, a última grande história realizada por ele. Não entendo quem não gosta de todo o clima do filme, além das metáforas e das mensagens que ele passa. A direção de arte é primorosa, a trilha é linda e tudo funciona pra mim!

Responder

Matheus, também é um dos meus filmes favoritos do Shyamalan. A última grande história realizada por ele, concordo. “A Vila” é um filme muito rico naquilo que ele nos proporciona.

Responder

Deixe uma resposta