Cena da Semana: “VIPs – Histórias Reais de um Mentiroso”

publicado em:5/01/15 2:04 AM por: Kamila Azevedo Cena da Semana

(Documentário VIPs: Histórias Reais de um Mentiroso [2010] – diretora: Mariana Caltabianco)

Marcelo Nascimento da Rocha ganhou notoriedade no Brasil inteiro quando, durante a realização de um carnaval fora de época na cidade de Recife, fingiu ser o empresário Henrique Constantino, que vem a ser filho do dono da Gol Linhas Aéreas. No período de quatro dias em que passou na capital pernambucana, Marcelo enganou personalidades como o apresentador Amaury Jr. e o ator Ricardo Macchi. A audácia (para não dizer cara de pau) de Marcelo em aplicar um golpe dessa proporção chamou a atenção da diretora Mariana Caltabiano, que acabou acertando com ele um contrato para a realização de um filme e de um livro.

O filme é o documentário “VIPs: Histórias Reais de um Mentiroso”, no qual Mariana desvenda a personalidade de Marcelo, mostrando para a plateia que o histórico de golpes aplicados pelo personagem principal é antigo e já faz parte da pessoa que ele é. Por exemplo, ele já fingiu ser filho de dono de empresas de ônibus, empresário e músico da banda gaúcha Engenheiros do Hawaii, policial, repórter da MTV Brasil, olheiro da seleção brasileira, entre outros. Ou seja, para Marcelo, se colocar na pele dos outros, é um verdadeiro vício – um vício perigoso, na medida em que é um crime pelo qual ele tem pagado as consequências.

“VIPs: Histórias Reais de um Mentiroso” foi disponibilizado pela própria Mariana Caltabiano no YouTube e inspirou o filme “VIPs“, de Toniko Melo, em que Wagner Moura, interpretou Marcelo.


Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Tá na minha lista, mas ainda não conferi, desde a época do longa de Toniko Melo que tenho curiosidade em relação a esse documentário.

Responder

O documentário é muito bom,porém a maneira que Mariana montou o filme e a narrativa dela é um ponto fraco.Primeiro:nem todo mundo é Michael Moore,dosar humor,narração e citações é bem complicado nesse formato e na maioria das vezes não funciona.Um exemplo é quando ela diz que “O Jô Soares havia dito que…”,bem isso não é importante pra narrativa do documentário.Eu quero saber do Marcelo Nascimento,um exemplo do humor é na cena que ela induz um “bromance” entre Ricardo Macchi e Marcelo Nascimento,o que não funcionou muito bem.O filme “Vips” de Toniko Mello serviu pra uma coisa:eu constatei que Wagner Moura é uma força da natureza é um dos maiores atores do mundo.A cena que ele olha pra si no espelho tentando se encontrar é de arrepiar.

Responder

Amanda, também conferi esse documentário por causa do filme de Toniko Melo. Mas acho que “VIPs” é melhor que esse documentário.

Paulo, concordo com seu comentário. Pensei no Michael Moore quando vi a maneira pela qual Mariana Caltabiano se inseriu dentro da história, narrando e deixando-a com um ponto de vista bem pessoal. Concordo que o Marcelo é o ponto principal do filme e é a ele que devemos prestar atenção durante a obra.

Responder

Deixe uma resposta