A Cabana

Nota5
5
Reader Rating: (0 Rates)0

Baseado no best seller escrito por William P. Young, A Cabana, filme dirigido por Stuart Hazeldine, tem como personagem principal Mackenzie Allen Phillips (interpretado por Carson Reame na infância e por Sam Worthington na sua fase adulta). Está claro, ao jogarmos o olhar em Mack, o quanto que ele, apesar de ter uma esposa amorosa (Radha Mitchell) e três filhos (Megan Charpentier, Gage Munroe e Amélie Eve) lindos, inteligentes e educados, teve toda a sua existência marcada pela sua infância e pela presença abusiva de seu pai (Derek Hamilton). Isso deixou marcas profundas no homem que ele se tornou.

A situação se agrava quando, durante um final de semana de férias com os filhos, em um acampamento, sua filha mais nova, Missy, desaparece e, após investigações policiais, chega-se à conclusão de que ela foi brutalmente assassinada. Se Mack já vivia num mundo próprio, incapaz, às vezes, de demonstrar seus sentimentos; o isolamento que ele mesmo se impõe, após a morte de uma filha tão querida, só faz piorar.

Presenciarmos tudo isso que Mack vive nos leva ao ponto principal de A Cabana, que é a relação do homem com sua própria fé ou, no caso, com o próprio Deus. Neste sentido, a verdadeira jornada do filme é a que acompanha Mack em um final de semana que ele passa numa cabana se relacionando com Papa (Octavia Spencer), Jesus (Avraham Aviv Alush), Sarayu (Sumire Matsubara) e Sophia (a atriz brasileira Alice Braga). Tentando colocar em resumo as ricas experiências vividas por Mack com estas personagens, o que ele aprende é que não estamos sozinhos, que Deus não abandona seus filhos e que, diante do mal, podemos tirar o bem – mesmo que não compreendamos, a princípio, o que está acontecendo.

A Cabana é somente o terceiro filme dirigido por Stuart Hazeldine e o primeiro de sua filmografia a ter uma certa repercussão. Por se tratar de um diretor inexperiente, estamos diante de uma obra que não tem personalidade ou uma marca. E isso prejudica muito A Cabana, um filme que se apoia principalmente na (bonita) mensagem que deseja nos passar. Além disso, a falta de expressão de Sam Worthington, inclusive durante os momentos de maior apelo emocional de A Cabana, faz com que o filme perca boa parte do impacto que deveria ter sobre nós. Uma pena, pois se trata de uma obra com temas edificantes – algo que é raro no cinema norte-americano.

A Cabana (The Shack, 2017)
Direção: Stuart Hazeldine
Roteiro: John Fusco, Andrew Lanham e Destin Daniel Cretton (com base no livro escrito por William P. Young, com a colaboração de Wayne Jacobsen e Brad Cummings)
Elenco: Sam Worthington, Octavia Spencer, Tim McGraw, Radha Mitchell, Megan Charpentier, Gage Munroe, Amélie Eve, Avraham Aviv Alush, Sumire Matsubara, Alice Braga, Graham Greene, Derek Hamilton

2 comments

  1. Amanda Aouad 29 maio, 2017 at 22:38 Responder

    Sam Worthington não consegue passar mesmo todo o drama que esse pai está passando. O filme é frágil, mas a mensagem é forte, principalmente para o público que já vem do livro, por isso, acabou funcionando. Mas como cinema, tem muitos problemas mesmo.

    • Kamila Azevedo 5 junho, 2017 at 11:02 Responder

      Amanda, concordo plenamente contigo. Apesar de não ter lido o livro, confesso que me emocionei em diversos momentos com a mensagem que o filme quer nos passar.

Deixe uma resposta