Resenha Crítica: “Mãe!”

publicado em:3/10/17 10:03 PM por: Kamila Azevedo Cinema

*Atenção! O texto contém spoilers! Se não assistiu ao filme, aconselho a não ler a resenha crítica.

De uma coisa é certa: fazia tempo que o cinema não via um filme ser tão discutido quanto Mãe!, obra dirigida e escrita por Darren Aronofsky. Ao mesmo tempo em que a discussão é muito bem-vinda, uma vez que faz parte do papel do cinema, como forma artística, incentivar a discussão e a reflexão sobre os temas que trata; ao mesmo tempo, fica aquela pulga atrás na orelha: será que Aronofsky planejou esse filme intencionalmente, de maneira a que Mãe! ficasse totalmente no centro das discussões?

Tentar vislumbrar qualquer um desses planos é justamente entrar no jogo do diretor. A verdade é que Aronofsky fez Mãe! para que cada um pudesse interpretá-lo da sua própria maneira. Fugindo, então, dos preceitos comuns, que ligam a obra aos conceitos bíblicos e à relação com a mãe natureza, eis aqui a maneira como enxergamos Mãe!

O filme se centra na figura de um casal (Jennifer Lawrence e Javier Bardem), que mora numa casa isolada em uma área bastante arborizada e, aparentemente, calma e pacífica. A rotina deles é bastante simples: enquanto ela vive para os afazeres domésticos, ele se dedica aos escritos – a obra deixa subentendida que ele é um poeta que passa por uma crise de criação, após um trabalho muito bem-sucedido.

A história de Mãe! nos é contada do ponto de vista da mulher/esposa. Neste sentido, acredito que o filme trata do relacionamento que ela possui com o homem/marido, especialmente o papel dela como inspiradora da criação dele. Não como musa, mas sim, como a facilitadora de todo um ambiente para que ele tenha a tranquilidade necessária para criar e compor uma nova – e linda – poesia. A mulher/esposa é retratada como o alicerce emocional de seu esposo, não à toa ela é a responsável por cuidar e cultivar da casa deles com muito amor, cuidado e carinho (vejo a casa como um terceiro personagem principal, que representa o relacionamento que homem e mulher possuem).

Talvez, por isso mesmo, surpreenda a visão um tanto machista de Aronofsky sobre a personagem interpretada por Jennifer Lawrence. A mulher/esposa é retratada como alguém que vive para o homem/marido, sendo quase uma prisioneira do local onde eles vivem (prestem atenção que, no decorrer de Mãe!, em nenhum momento, ela se ausenta daquele ambiente); e, pior, tendo as suas vontades totalmente relegadas pelo marido – que nunca ouve a sua opinião, principalmente, quando estranhos invadem a casa e movimentam a rotina pacífica que os dois dividem. Enquanto isso, o homem/marido submete a sua esposa a todo tipo de transtorno emocional e abusos psicológicos, abandonando-a nos momentos em que ela mais precisava dele.

Em consequência disso, quando tudo se resume às cinzas, enxergo isso como uma metáfora sobre os desgastes que vão minando pouco a pouco até levarem ao fim de um relacionamento amoroso. Essa visão ganha ainda mais sentido quando percebemos que, após todos os cacos serem juntados, e o que restou do coração for recuperado, há uma reconstrução de tudo aquilo que foi destruído e uma nova história, com uma nova mulher/esposa/musa, é reiniciada. Ou seja, apesar de Mãe! retratar o quão doentio um relacionamento pode ser, existe uma visão final bastante otimista do amor, uma vez que se é dada uma nova chance ao sentimento.

Devemos, então, analisar Mãe! sob dois princípios diferentes. O primeiro deles, é o estético. Nesse ponto, Aronosfky foi quase perfeito, uma vez que o filme é muito bem feito, especialmente quando observamos o trabalho desenvolvido com a atuação sensacional de Jennifer Lawrence, pela direção de fotografia de Matthew Libatique, pela trilha sonora composta por Jóhan Jóhannsson e Clint Mansell e pelos efeitos sonoros da obra. O segundo deles leva em consideração a história e, aqui, é onde Aronofsky mais peca: durante boa parte de Mãe!, o filme perde totalmente o contato com a realidade e, pior, com a sua identidade – sem saber a que gênero pertence. Isso fica ainda mais claro quando o diretor passa totalmente a bola para a plateia tentar juntar as pistas e fazer com que a trama do filme ganhe sentido. Aronofsky pode mais – e ficou devendo – e muito – neste longa!

Mãe! (Mother!, 2017)
Direção: Darren Aronofsky
Roteiro: Darren Aronofsky
Elenco: Jennifer Lawrence, Javier Bardem, Ed Harris, Michelle Pfeiffer, Brian Gleeson, Domhall Gleeson, Kristen Wiig



Post Tags

Kamila Azevedo

Jornalista e Publicitária



Comentários


Esse filme mexeu profundamente comigo.É uma obra forte que causa muito impacto.Só resta amar ou odiar.

Responder

Paulo, entendo o impacto que a obra causa em algumas pessoas, mas eu não me senti dessa maneira. Me senti desconfortável e sem entender a intenção de seu diretor. Após uma reflexão, é que eu comecei a juntar os pontos. Mesmo assim, acho que Aronofsky pode mais.

Responder

Como você disse, toda interpretação é válida. Eu fiquei mais pelas alegorias bíblicas mesmo e nisso, a questão da mulher é que ela foi sendo mesmo escanteada pela religião, como um ser submisso ao homem, porém, não a vejo apenas como uma musa inspiradora e sim, verdadeira fonte de criação, tanto que vem do coração dela o cristal. Enfim, um filme que não se faz indiferente. Fiquei no time dos que gostaram, ainda que entenda completamente quem odiou, rs.

Responder

Amanda, quando eu digo musa inspiradora, me refiro ao fato dela ser a fonte de inspiração do marido. Tentei deixar explícito isso, em meu texto. Eu estou no time dos que não gostaram! rsrsrs

Responder

Kamila, esse filme é realmente muito curioso, né? Pois, ao contrário de você, eu achei “mãe!” arrebatador no retrato que propõe da vida de uma mulher: para mim, existe algo de muito crítico na forma com que Aronofsky mostra a via crucis que é a vida dessa protagonista, uma mulher que nunca a quem ninguém dá ouvidos. E todas as alegorias do filme me soaram, justamente, como a representação máxima do quão dolorosa e violenta uma vida como essa pode ser. Enfim, se o diretor quis fazer uma obra que todos discutissem, conseguiu! Beijo!

Responder

Matheus, de uma certa maneira, concordo plenamente com a sua visão sobre como a mulher é retratada nesse filme. Ninguém dá ouvidos a ela, ela vive confinada na casa, passa por todo tipo de sofrimento e as pessoas continuam incólumes a ela. É uma vida muito difícil. Não tenho dúvida disso. Meu questionamento em relação à “mãe!” está na maneira como a história é contada, sem coesão qualquer. Beijos!

Responder

Deixe uma resposta