logo

Lendo – Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres

publicado em:25/05/10 11:05 PM por: Kamila Azevedo Livros

“… alivia minha alma, faze com que eu sinta que Tua mão está dada à minha, faze com que eu sinta que a morte não existe porque na verdade já estamos na eternidade, faze com que eu sinta que amar é não morrer, que a entrega de si mesmo não significa a morte e sim a vida, faze com que eu sinta uma alegria modesta e diária, faze com que eu não Te indagues demais, porque a resposta seria tão misteriosa quanto a pergunta, faze com que eu receba o mundo sem medo, pois para esse mundo incompreensível nós fomos criados e nós mesmos também incompreensíveis, então é que há uma conexão entre esse mistério do mundo e o nosso, mas essa conexão não é clara para nós enquanto quisermos entendê-la, abençoa-me para que eu viva com alegria o pão que como, o sono que durmo, faze com que eu tenha caridade e paciência comigo mesma, amém”. (p. 115)

Em muitos aspectos, “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” é um dos livros mais complexos e, ao mesmo tempo, mais simples escritos por Clarice Lispector. Complexo porque seus personagens instigam a gente a querer mergulhar cada vez mais no íntimo deles. Simples porque sua intenção e missão é totalmente clara. A história que Lispector nos relata é a jornada de uma mulher chamada Lóri em busca de aprender algo que todos nós deveríamos valorizar: a capacidade de reconhecer a beleza dos momentos da vida, até daqueles que nos parecem ser mais frívolos e triviais – e vivê-los da mesma forma intensa quanto aqueles que nos são mais caros. 

Toda a jornada vivida por Lóri tem um único objetivo: o homem que ela ama, o professor Ulisses só a aceitará como mulher quando achar que ela está pronta. O estar pronta, para ele, significa que Lóri tem que, além de tudo, amar a si mesma primeiro para poder se entregar a um outro alguém. Neste jogo, quem dá as cartas totalmente é Ulisses – ele que toma todas as decisões referentes à relação. O tempo inteiro, ele mostra para Lóri que a conhece muito bem e sabe quem ela é (inclusive, é ele que joga a verdade na cara dela: a de que ela se esconde atrás da dor, para não viver plenamente). Enquanto isso, Lóri, confusa e perdida, tem que se descobrir como mulher. 

“Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” mexe com conceitos bem interessantes. Apesar do medo da entrega, Lóri se sente totalmente atraída por Ulisses – porém, não sabe lidar com sua própria sexualidade, sensualidade e beleza. Os dois são muito vaidosos e gostam da maneira como um enxerga o outro. O conhecimento dele gera desejo nela. O mistério dela gera desejo nele. E, neste ínterim, Lóri aprende a sentir, a ser independente, a descobrir, a brincar com seus limites – sempre, é importante frisar, mantendo aquele medo e frio na barriga dentro de si. 

Neste sentido, a impressão que fica, ao final da leitura de “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” é a de que fomos testemunhas de uma longa preliminar entre um casal. Tudo que lemos culmina no capítulo final da obra (que é bem sensual, sem cair na vulgaridade), o qual relata o encontro definitivo de Ulisses e Lóri como homem e mulher, quando ambos experimentam da intensidade daquilo que sentem e que ficaram guardando dentro de si por tanto tempo. E é justamente daí que vem o maior aprendizado de Lóri: “sei que meu caminho chegou ao fim: quer dizer que cheguei à porta de um começo”. A jornada de Lóri, portanto, está só começando.

Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres (1969)
Autora: Clarice Lispector
Editora: Rocco



Jornalista e Publicitária


Comentários


clarice, mais uma autora q eu tenho que ler mais =/
me lembro de ter comprado a hora da estrela e ter deixado para minha mãe ler, ela simplesmente nao entendeu o livro, haeuhaeuaeh.

Responder

Thyago, “A Hora da Estrela” foi a primeira obra dela que eu li! Agora, estou me dedicando à bibliografia dela. E estou AMANDO cada livro que leio!

Responder

Um dos melhores livros de Lispector.
Na verdade, ao lado de PERTO DO CORAÇÃO SELVAGEM e A PAIXÃO SEGUNDO G.H., o livro consegue mostrar como o ser humano busca seu próprio sentido de mundo, tanto amoroso quanto reflexivo, como maneira de auto-compreensão.

Ulisses é, nada mais, que a própria idealização do Homem Perfeito: é tudo que Lóri busca em alguém, a busca pelo artifício do amor sentido…as chances de aprender com o amadurecimento de uma vida a dois…todos os questionamentos sobre sentimento, noção de mundo, capacidade de se sentir valorizada como mulher…
– buscando este Homem Ideal, ela recorre a si mesma…num jogo de conquista íntima, de auto-reflexão sentimental, de aceitação feminina, ela entende-se e consegue observar que o amor é o respirar da própria existencia…há quem diga que Ulisses só permanece no seu próprio pensamento, é algo imaginário, uma idealização que de fato só permeia seu subjetivo…

E Lóri aprende muito com ele, isso é fato.

Um livro intenso!

Responder

Tenho muita curiosidade de conhecer Clarice Lispector. Futuramente pretendo ler uma obra sua, muitas pessoas já me indicaram, mas a fila tá graaande!

Responder

Clarice Lispector sempre tem vez no Cinéfila por natureza. Assim como o Thyago, li pouco da autora, embora já tenha lido algumas de suas principais obras. De qualquer maneira, não me julgo responsável a discorrer tão bem sobre sua obra quanto vc Ka. Parabéns pela construção do texto.
Bjs

Responder

Cristiano, ainda não li estes livros que você citou. Adorei seu comentário sobre Ulisses. Eu concordo muito com sua visão sobre ele. E o livro é intensíssimo mesmo!

Fael Moreira, pois a conheça. A considero a maior autora brasileira de todos os tempos, quem sabe uma das melhores de todos os tempos de todo o mundo.

Reinaldo, sempre terá vez aqui! 🙂 Obrigada! Beijos!

Responder

Esse é um dos livros da Clarice que quero muito ler. E quero começar a procurar por mais obras delas, desde de um seminário que fiz sobre ela no ano passado, quando tive que ler os que tinha disponível, como “Laços de Família”.

Beijos! 😉

Responder

Mayara, ainda não li “Laços de Família”, mas ele está aqui na fila. Beijos!

Responder

[…] por meio de personagens que ela mesma criou (para os livros “Perto do Coração Selvagem”, “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” e os contos “Amor” e “Perdoando Deus”) somos confrontados com a crueza e a força de […]

Responder

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.