logo

Lendo – “Correspondências”

publicado em:15/07/10 1:18 AM por: Kamila Azevedo Livros

“ (…) respeite a você mais do que aos outros, respeite suas exigências, respeite mesmo o que é ruim em você – respeite sobretudo o que você imagina que é ruim em você – pelo amor de Deus, não queira fazer de você uma pessoa perfeita – não copie uma pessoa ideal, copie você mesma – é esse o único meio de viver”. (p. 166)

Apesar de, na capa do livro, estar escrito “Correspondências – Clarice Lispector”, podemos dizer que a autoria desta obra foi totalmente coletiva, uma vez que a organizadora Teresa Montero fez uma compilação de 129 cartas escritas, não só por Clarice Lispector, mas também por pessoas que fizeram parte de sua vida das décadas de 40 até a de 70, como Érico e Mafalda Veríssimo, João Cabral de Melo Neto, Rubem Braga, Fernando Sabino, Lúcio Cardoso, as irmãs Elisa e Tania, o ex-marido Maury Gurgel Valente, a amiga Bluma Weiner, a menininha Andréa Azulay, o filho Paulo Gurgel Valente, a cunhada Eliane Gurgel Valente, dentre outros. 

Algumas histórias e personagens já são conhecidos daqueles que entraram em contato, por exemplo, com a biografia “Clarice,”, escrita por Benjamin Moser. Interessante é perceber, durante a leitura das “Correspondências”, vários paralelos entre este livro e a brilhante biografia da escritora. As duas obras possuem um objetivo bem definido: tentar nos ajudar a enxergar Clarice por outros olhos, fazendo, de certa forma, com que alguns mitos sobre a imagem dela acabem caindo. As cartas lidas – claro que tudo vai depender do destinatário das mesmas – revelam uma Clarice carinhosa, solícita, amiga, preocupada com o bem estar dos outros, dona de um senso de humor bastante peculiar, mãe amorosa, irmã devotada. Um outro lado legal que as cartas mostram é a verdadeira batalha que era, na época de Clarice, viver da escrita no Brasil – são inúmeras as discussões que ela tem com colegas de profissão sobre as frustrações dela com a demora na publicação dos seus manuscritos, entre outras questões.

“Correspondências” cumpre muito bem seu papel de nos querer deixar mais próximos de Clarice. Sentimos, no decorrer da leitura do livro, que estamos compartilhando um pouco da intimidade dela, da vida dela longe do Brasil, das relações que ela construiu. Um ponto legal do livro é a perspectiva que ele nos traz de como algumas célebres pessoas sentiam a obra de Clarice. Rubem Braga foi muito feliz, neste sentido: “é engraçado como você me atinge e me enriquece ao mesmo tempo que faz um certo mal, me faz sentir menos sólido e seguro. Leio o que você escreve com verdadeira emoção e não resisto a lhe dizer muito e muito obrigado por isso”.

Correspondências (2002)
Organização: Teresa Montero
Editora: Rocco



Jornalista e Publicitária


Comentários


Este é muito bom mesmo, mas me lembro de um ótimo material de Clarice que tenho aqui, não sei se conhece: Fotobiografia Clarice Lispector, que fora organizada pela professora Nádia Batella Gotlib. É um rico, bonito e denso material de fotos que ‘contam’ a trajetória de Clarice…material de primeira qualidade mesmo, ótima seleção de imagens…eu comprei, na época de lançamento, por 130 reais…mas, vi mês passado na Saraiva por 97,90.

Você sabe que admiro muito essa autora…rs

Beijo!

Responder

Cristiano, sei sim que você admira muito a Clarice. Acho que você percebeu que eu a admiro também! 🙂 E eu sempre babo por esse livro de fotografias. Um dia, comprarei! Beijo!

Responder

Kamila, eu nuca li nada a respeito, conheço algumas frases da escritora, mas, nunca tive a chance de ler, você está sempre lendo suas obras, deve realmente ser boa.

Responder

Ainda não conhecia essa obra, mas parece ser bem interessante para quem quer conhecer mais sobre a autora.

Responder

Conheço pouquissimo da obra da Clarice Lispector, mas claro que reconheço-a como uma grande escritora. Esse livro deve ser interessantissimo!

Como estamos falando de livro, estou lendo atualmente o Cidadão Cannes, excelente! A forma como é contado os bastidores do festival mais charmoso do cinema mundial é curiosissimo.

Responder

Cleber, a Clarice é a melhor escritora brasileira de todos os tempos. Recomendo com entusiasmo a leitura das obras dela.

Vinícius, é ótima, sim!

Cassiano, é muito interessante. Fiquei curiosa sobre este Cidadão Cannes. Parece ser muito bom! Entra na fila de livros a comprar. 🙂

Responder

Dei de cara com esse livro hoje na livraria, dei uma folheada nele e gostei do que li. Está na lista de prioridades agora. rsrs.

Beijos! 😉

Responder

[…] amor, suas incertezas e contradições”. Desta forma, tendo como base depoimentos, entrevistas e correspondências de Lispector, entramos em contato com Clarice, ao mesmo tempo em que, por meio de personagens que […]

Responder

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.