logo

Allan Kardec: Um Olhar para a Eternidade*

publicado em:4/09/13 12:53 AM por: Kamila Azevedo Teatro

allankardec

Hippolyte Léon Denizard Rivail. Se você ouvir falar neste nome, provavelmente, não vai saber de quem se trata. Porém, se mencionarmos a alcunha Allan Kardec, com certeza, você vai saber sobre quem estamos comentando. Foi esse o pseudônimo que Hippolyte adotou a partir do momento em que se transformou no codificador, no sistematizador e no propagador da Doutrina Espírita, no século XIX, na Europa. Acompanhar o processo de transformação de Hippolyte em Allan Kardec, de uma certa maneira, é o objetivo da peça teatral “Allan Kardec: Um Olhar para a Eternidade”, dirigido pela atriz (e espírita) Ana Rosa.

Em cerca de uma hora e meia de espetáculo, “Allan Kardec: Um Olhar para a Eternidade” mostra para a plateia alguns dos encontros e fatos mais marcantes da vida do chamado pai da Doutrina Espírita. Desde a sua juventude, quando ele foi enviado pela família para fazer seus estudos na Escola de Pestalozzi; até o momento em que ele retornou a Paris para dar prosseguimento aos seus trabalhos pedagógicos e acadêmicos; terminando, enfim, com o exercício da difícil missão a qual ele foi chamado a cumprir: divulgar a Doutrina Espírita.

O lado importante de “Allan Kardec: Um Olhar para a Eternidade” é a forma como o espetáculo mostra como Hippolyte estava sendo, praticamente, predestinado ao caminho que acabou seguindo – apesar de sua origem católica e do seu ceticismo inicial diante do fenômeno das mesas girantes – de forma que, quando o encontramos no ato final da peça, Allan Kardec se revela um homem forte nos princípios em que acredita e pronto para enfrentar as dificuldades de sua missão, uma vez que a Doutrina Espírita foi muito contestada, principalmente após a publicação de “O Livro dos Espíritos”, bem como das outras obras que fazem parte da codificação do espiritismo, na Europa.

“Allan Kardec: Um Olhar para a Eternidade” tem um formato narrativo muito interessante. Os momentos e encontros que eles consideram como os mais marcantes da vida de Allan Kardec são introduzidos para nós, da plateia, por meio das intervenções dos atores, em passagens de tempo e espaço que são muito dinâmicas. Por falar no elenco da peça, junto com a bonita mensagem contida no texto escrito por Paulo Afonso de Lima, eles são o grande destaque do espetáculo. Está visível em cada cena da peça o grande trabalho também desenvolvido por Ana Rosa na direção dos atores. Parece que esse grupo foi escolhido a dedo, pois está estampado na emoção deles ao final do espetáculo o quão envolvidos todos eles estão com essa história. E isso acaba passando de uma forma positiva para o público, que também se envolve da mesma forma que eles com o relato da vida e obra de Allan Kardec.

Allan Kardec: Um Olhar para a Eternidade (2012)
Texto: Paulo Afonso de Lima
Direção: Ana Rosa
Elenco: Rogério Fabiano, Anja Bittencourt, Érica Collares, Marcelo Alonso, Leandro D’Melo

*Peça vista no Teatro Riachuelo, em Natal-RN, no dia 01 de Setembro de 2013.



Post Tags

Jornalista e Publicitária


Comentários


Interessante, fiquei curiosa com a peça. Gosto muito de Ana Rosa como atriz, não conheço como diretora. Mas, até por ser espírita, aguçou minha curiosidade.

Responder

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.