logo

Os Suspeitos

publicado em:26/10/13 1:31 AM por: Kamila Azevedo Cinema

A tradução “Os Suspeitos”, para o filme dirigido por Denis Villeneuve, é muito inadequada. Neste sentido, o título original “Prisoners” é perfeito para retratar o que ocorre no longa, uma vez que o roteiro escrito por Aaron Guzikowski retrata uma situação cuja consequência é colocar os personagens da obra em uma espécie de prisão, pois tudo que gira em torno desse evento é uma sombra que vai pairar pela vida deles até que tudo seja solucionado – ou, talvez, nem mesmo após a solução, eles se livrem das marcas deste acontecimento.

No Dia de Ação de Graças, Anna Dover (Erin Gerasimovich) e Joy Birch (Kyla Drew Simmons) desaparecem misteriosamente na rua em que moram para desespero de seus pais – Keller Dover (Hugh Jackman) e Grace Dover (Maria Bello) e Franklin Birch (Terrence Howard) e Nancy Birch (Viola Davis), respectivamente. O detetive Loki (Jake Gyllenhaal) é designado para o caso e, apesar das primeiras pistas indicarem que o jovem Alex Jones (Paul Dano) está por trás do fato, na realidade, a polícia não tem nenhuma prova concreta que o liga ao desaparecimento.

A partir do momento em que Alex Jones é posto em liberdade, “Os Suspeitos” deixa de ser um drama quase didático sobre uma investigação policial e passa a ser um suspense psicológico que aborda diferentes facetas de uma situação deste tipo. Em especial, neste caso, é bom ficar atento a dois personagens, que representam o grande contraste entre as duas linhas de narração do filme: a que envolve o detetive Loki, que incorpora a frieza e o calculismo que são necessários para tentar enxergar todas as variáveis que estão ligadas a um desaparecimento deste tipo; e a que envolve a reação extremada e emocionada do pai Keller Dover, que, por não aceitar a lentidão da polícia para a resolução do caso, decide fazer uma investigação própria sobre o sumiço da filha, que o leva a caminhos bastante tortuosos e cuja moralidade podemos questionar a todo momento.

Parece uma trama baseada num livro de Dennis Lehane, mas não é. “Os Suspeitos” é um filme que tem uma duração atípica para um longa de suspense policial (146 minutos), mas, em nenhum momento, a obra perde seu ritmo. Pelo contrário: a trama se mantém tensa do início ao fim, com muitas informações novas sendo jogadas para o espectador a todo momento. Apesar de alguns furos do roteiro, o trabalho de Aaron Guzikowski já merece o mérito por captar a atenção completa da plateia, que fica intrigada com os acontecimentos retratados no filme e vai junto de Loki e Keller Dover nos caminhos que eles escolhem seguir. E, aqui, vale destacar o trabalho excelente de atuação de Jake Gyllenhall e Hugh Jackman, apoiados por um excelente elenco de apoio.



Post Tags

Jornalista e Publicitária


Comentários


“mas o filme trás uma lógica boa, roteiro bom, mostra isso ou aquilo outro de importante”
Reze antes de ver o filme, durante e depois. Primeira dica, não assista esse filme. Segunda dica: não use o “não assista” como estímulo de curiosidade para assistir. É acho que dizer “não assista” é o mesmo que dizer “assista”, mas em fim, porque não assistir? Esse filme trás uma das maiores angústias que os seres humanos podem passar, e de forma detalhada e esmiuçada, de uma maneira que você passa a vivenciar aquilo que está sendo projetado pois o que se passa na tela do cinema, é também projetado em sua tela mental. As vezes acreditamos, que é só mais um filme, que besteira né? Então, entulhe sua mente de angústia, de medo,de sofrimento, e espere o resultado. Ah sim, qual é essa angústia que o filme trás? 2hrs e 30 min de sequestro, suícidio, tortura e assassinato

RATE: 5,0

Responder

Viana, parabéns, mô, pela sua primeira crítica de cinema. Você conseguiu descrever muito bem os efeitos psicológicos desse filme. É uma história muito densa e pesada emocionalmente.

Responder

O filme nos coloca mesmo dentro da angústia dos personagens, principalmente de Keller Dover (Hugh Jackman), nos fazendo inclusive questionar os seus atos, mas se perguntando o que faríamos em seu lugar. A forma como a câmera nos deixa muitas vezes confusos ajuda nessa construção. Só acho que o filme peca no final, pela forma como joga muitas informações e reviravoltas de uma só vez. Ainda assim, um belo filme.

Responder

Amanda, exatamente. O filme nos aproxima muito da dor do Keller Dover. De uma certa maneira, concordo com você em relação ao final de “Os Suspeitos”, mas acho que isso não prejudica o filme.

Responder

Eu gosto do filme. Mas acho que ele podia ter alguns minutos a menos. Principalmente porque as resoluções acabam sendo despejadas na tela no final. E não gosto do Jake Gyllenhaal achando a solução após uma ataquezinho de raiva. Mas o clima tenso do filme é excelente, Hugh Jackman está muito bem, assim como Paul Dano. Bom filme.

Bjs!

Responder

Otavio, também gosto de “Os Suspeitos”, mas faço algumas ressalvas ao longa. Concordo em relação à duração, mas acho que o filme é longo para deixar tudo bem explicadinho para a plateia. Mas, eles sempre acham a solução após ataques de raiva! rsrsrsrsrs Sempre está tudo na cara deles, mas eles só percebem quando a situação se torna inevitável. Aquela resolução final dele foi um clichê do cinema.

Responder

Fiquei reticente quanto a assistir a “Os Suspeitos”, quando o vi na grade do Netflix, mas depois de ler alguns artigos interessantes, tal qual este, resolvi conferir e gostei do filme. Tive também o prazer de ver que Amanda Aouad (que já me fez assistir a vários filmes, sem saber) anda por aqui! Parabéns, Kamila! Obrigado, Amanda, por ter-me indicado filmes bons! Se vocês quiserem indicações, posso passar de cem em cem filmes.

Responder

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.