logo

Crupiê: A Vida em Jogo

publicado em:18/11/14 12:39 AM por: Kamila Azevedo Filmes

Quando foi lançado, em 1998, “Crupiê: A Vida em Jogo”, filme dirigido por Mike Hodges, transformou a carreira do ator inglês Clive Owen. Quando deu vida ao charmoso e misterioso Jack Manfred, protagonista deste longa, Owen foi logo alçado à condição do primeiro time de atores de seu país, chegando, na época, a ser considerado para um dos papeis mais icônicos da cultura inglesa: o do agente James Bond – trabalho que acabou ficando nas mãos de Pierce Brosnan, novamente, antes de ele passar o bastão para as mãos de Daniel Craig.

Antes desse filme, eu nunca tinha ouvido falar na figura do crupiê, o profissional que tem a responsabilidade de embaralhar e distribuir as cartas para os jogadores num cassino. Na medida em que o filme de Mike Hodges vai se desenvolvendo, aprendemos que essa pessoa não pode aparecer mais do que as cartas e não pode se envolver com os jogadores, ou seja, ele tem que ter uma aura de invisibilidade, de forma a não atrapalhar o grande negócio que é a jogatina desenfreada.

Neste sentido, Jack Manfred é perfeito. Seu ofício de vocação é a escrita. O escritor propriamente dito já é um grande observador das pessoas e do mundo que as rodeia. Então, nada melhor para ele, enquanto não consegue deslanchar na carreira que escolheu, abraçar uma outra que o ajudará a pagar as suas contas. A discrição e a ética de Jack em sua nova função é tamanha, que ele acaba sendo escolhido por uma das clientes do cassino (Alex Kingston, que ficou conhecida, posteriormente, como a esposa de Mark Greene no seriado “E.R.”) para um plano ambicioso de roubo ao próprio local.

Entretanto, o ponto a que devemos prestar atenção em “Crupiê: A Vida em Jogo” é as diversas analogias que são feitas pelo roteiro escrito por Paul Meyersberg entre a experiência de se distribuir as cartas e as escolhas que fazemos em nossa vida. No decorrer dos 90 minutos do filme, Jack Manfred será o produto das escolhas que faz, na forma como decide o seu próximo passo após cada carta que recebe. A adrenalina do jogo é viciante e é isso que move Jack durante a obra – o que é muito bem passado para a plateia, na excelente atuação de Clive Owen.



Post Tags

Jornalista e Publicitária


Comentários


Clive Owen realmente é um grande ator.Gosto dele em “Closer” de Mike Nichols,”Filhos da Esperança” de Alfonso Cuaron e “Confiar” sobre a aliciamento sexual de uma adolescente pela internet..Esse filme eu ainda não conferi.

Responder

Tive o prazer de descobrir esse filme, um dos primeiros da minha coleção de DVD´s, antes de Clive Owen “acontecer”. Um filmaço dessa onda inglesa que revelou gente como Guy Ritchie, Matthew Vaughn e tantos outros cineastas interessantes. E Owen é fascinante!
Bjs

Responder

Reinaldo, pois eu o assisti agora, no Netflix, apesar de conhecer o filme há um bom tempo. Me lembro que foi destaque numa edição da SET!

Responder

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.