logo

Livre

publicado em:21/03/15 12:32 AM por: Kamila Azevedo Filmes

Se Cheryl Strayed (Reese Witherspoon, indicada ao Oscar 2015 de Melhor Atriz), personagem principal do filme “Livre”, dirigido por Jean-Marc Vallèe, tivesse uma frase de cabeceira, com certeza, seria: “Perder-se também é caminho”, de Clarice Lispector. Essa afirmativa resume muito bem a jornada pela qual ela vai passar no decorrer do longa, que acompanha a personagem enquanto ela se aventura, totalmente sozinha, pela Pacific Crest Trail, trilha que possui um total de 4620km e se estende da fronteira dos Estados Unidos com o México até a fronteira deste país com o Canadá.

Da mesma maneira, existe muito de Cheryl no sobrenome que ela adotou após se divorciar de Paul (Thomas Sadoski). A palavra strayed, em inglês, significa extraviado. E foi justamente isso que acabou acontecendo com Cheryl após a morte de sua mãe, Bobbi (Laura Dern, indicada ao Oscar 2015 de Melhor Atriz Coadjuvante): ela perdeu o contato consigo mesma, passando a vivenciar o seu luto com um comportamento inconsequente, que incluía o vício em heroína e a infidelidade constante ao marido.

O que leva, então, uma pessoa que tem uma vida completamente abusiva a deixar tudo para trás para embarcar, sem experiência passada nesse tipo de situação, para uma aventura solitária em uma das trilhas mais inóspitas existentes nos Estados Unidos? É a essa pergunta que “Livre” tenta responder. Existe dentro de Cheryl um desejo forte e, talvez, mais inconsciente: os 4620km da Pacific Crest Trail representam, para ela, um caminho de penitência, em que ela, além de se permitir vivenciar a dor física do luto que ela negou dentro de si, encontra no contato puro e profundo com a natureza o reencontro consigo mesma e com a pessoa que ela era antes de ela se perder de si.

É uma história que tem um quê filosófico, mas que, na sua essência, nos deixa uma mensagem muito bonita de recomeço e que está relacionada diretamente com uma frase linda de Chico Xavier que diz que: “embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim”. Foi isso que Cheryl se permitiu: recriar a sua história. Acompanhar esse caminho dela de (re)descobertas, por meio da atuação natural e de entrega de Reese Witherspoon, é inspirador.

Indicações ao Oscar 2015
Melhor Atriz – Reese Witherspoon
Melhor Atriz Coadjuvante – Laura Dern



Post Tags

Jornalista e Publicitária


Comentários


Encontrei certas semelhanças em “Na Natureza Selvagem”(que é bem superior a esse filme).Dois protagonistas em crise e viajando pela américa em busca de si e precisando se perdoar.”Livre” é mais um grande filme de Jean-Marc Vallèe(“Crazy” é muito bom!) e Reese Whiterspoon está ótima.Ela esta em ótima fase e destaco “A Boa Mentira”(ela entrega o filme para um grupo de atores sudaneses.”Zero vaidade”) e a namorada do Mud em “Amor Bandido” do Jeff Nichols(diretor de “O Abrigo”).Essa nomeação ao Oscar por “Livre” veio coroar a bosa fase de Reese Whiterspoon.A Cheryl já entrou para a galeria dos grandes personagens dela,juntamente com June Carter de “Johnny e June” e a Tracy Flick de “Eleição” do meu querido Alexander Payne.Gostei da frase de Chico Xavier.

Responder

Paulo, entendo as comparações entre “Livre” e “Na Natureza Selvagem”, mas acho que as motivações de Cheryl Strayed são totalmente diferentes da do Christopher McCandless.

Responder

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.