logo

Moonlight: Sob a Luz do Luar

publicado em:14/03/17 8:21 PM por: Kamila Azevedo Cinema

A cena mais importante de Moonlight: Sob a Luz do Luar, filme dirigido e escrito por Barry Jenkins, é justamente aquela que explica o título do longa, na qual Juan (Mahershala Ali, numa performance vencedora do Oscar 2017 de Melhor Ator Coadjuvante) explica para Little (Alex R. Hibbert) o momento em que ele decidiu a pessoa que ele iria ser. Little ainda não conseguirá entender a mensagem de Juan, devido à sua pouca idade, mas o que ele quis dizer é que nunca devemos nos deixar levar pelo olhar que os outros possuem sobre nós, e sim nós que devemos decidir a maneira pela qual os outros devem nos enxergar.

Essa cena diz muito também sobre a trama de Moonlight: Sob a Luz do Luar. Por meio dela, acompanhamos a jornada de crescimento de Little/Chiron (Ashton Sanders)/Black (Trevante Rhodes) nas três fases mais importantes – digamos assim – da sua vida: a infância, a adolescência e a vida adulta. É interessante perceber que as três fases da existência de Chiron possuem elementos bastante comuns, com os quais ele terá que lidar recorrentemente, como a falta de um ambiente familiar sólido; a mãe (Naomie Harris, em atuação indicada ao Oscar 2017 de Melhor Atriz Coadjuvante) viciada em drogas; a tentação do mundo da criminalidade; o bullying na vida escolar e a repressão da sua sexualidade e de sentimentos básicos como a raiva, a dor, a tristeza.

Todo esse background será fundamental para o homem no qual Chiron se transformou e que se apresenta a nós no terceiro capítulo de Moonlight: Sob a Luz do Luar. Ao emular a grande figura masculina que teve em sua vida (Juan) e ao modificar seu físico por completo, Black pode ter resolvido boa parte de seus problemas; entretanto, para ele se tornar alguém de verdade, ele tem muitas coisas no seu lado íntimo para trabalhar. Por isso mesmo, o final aberto do filme nos deixa com a sensação de que, talvez, Black esteja pronto para enfrentar os seus medos mais íntimos, se enxergando de verdade, como a pessoa que ele verdadeiramente é.

Vencedor do Oscar 2017 de Melhor Filme, Moonlight: Sob a Luz do Luar é um filme que representa muito bem a sua personagem principal, com a opção de uma narrativa repleta de silêncios e de lacunas que deverão ser preenchidas por nós (plateia). Por falar no roteiro, este é o elemento mais irregular do filme, especialmente pela maneira como não desenvolve a contento as personagens (com exceção de Chiron) e nos deixa por fora de muitos acontecimentos que seriam importantes para o desenrolar desta história. Fica a sensação de que este é um filme que promete mais do que cumpre.

Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight, 2016)
Direção: Barry Jenkins
Roteiro: Barry Jenkins (com base na história de Tarell Alvin McCraney)
Elenco: Mahershala Ali, Alex R. Hibbert, Janelle Monáe, Naomie Harris, Ashton Sanders, Jharell Jerome, Trevante Rhodes, André Holland

Indicações ao Oscar 2017
Melhor Filme – VENCEDOR!!!
Melhor Ator Coadjuvante – Mahershala Ali – VENCEDOR!!!
Melhor Roteiro Adaptado – Barry Jenkins e Tarell Alvin McCraney – VENCEDOR!!!
Melhor Atriz Coadjuvante – Naomie Harris
Melhor Diretor – Barry Jenkins
Melhor Fotografia – James Laxton
Melhor Montagem – Joi McMillon e Nat Sanders
Melhor Trilha Sonora Original – Nicholas Britell



Post Tags

Jornalista e Publicitária


Comentários


“Moonlight” é um filme que considero catártico em muitas das discussões que levanta, mas, do ponto de vista estrutural, ele me decepciona profundamente: além do último ato adotar um tom que, ao meu ver, não condiz com os outros dois capítulos, simplesmente não consegui ver o pequeno Chiron naquele homem adulto e ainda perdido na vida. Não sei se foi problema de escalação, direção ou roteiro… Mas o filme simplesmente não funcionou para mim no terço final!

Responder

Matheus, confesso que eu esperava mais de “Moonlight”. Meu maior problema com o filme foi o roteiro. Achei a história em si muito mal construída, com inúmeros furos, situações mal explicadas – e isso prejudica, em muito, a nossa imersão na jornada do Chiron. Concordo com seus comentários em relação ao terceiro ato do filme, que, pra mim, também foi muito equivocado.

Responder

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.