logo

Cafarnaum | Resenha Crítica

publicado em:9/04/19 12:43 PM por: Kamila Azevedo Cinema

Além de ser o título do filme dirigido e co-escrito por Nadine Labaki, Cafarnaum é um termo que faz referência ou a um lugar em que há tumulto ou desordem ou a um local onde objetos diversos são amontoados ou guardados desordenadamente. Ou seja, quem está no cafarnaum está diante do caos. Quando conhecemos a realidade na qual Zain (Zain Al Rafeea) vive, entendemos o por quê do longa ter esse nome.

Aos doze anos, Zain é um típico exemplar de uma criança que, devido às suas circunstâncias de vida, não consegue ser, agir e ter as mesmas experiências que outros meninos de sua idade. Ele não estuda ou tem momentos de lazer. Da forma como é retratado pelo roteiro, Zain é o que podemos chamar de provedor de sua família, o verdadeiro adulto da casa. Ele trabalha e se submete a diversas situações degradantes e sufocantes para poder trazer o sustento para seus pais e seus irmãos.

Apesar da pouca idade, é certo que Zain tem uma consciência muito grande do seu papel e das responsabilidades que ele possui. Chega a ser chocante que ele seja o único a se sentir revoltado quando sua irmã, de 11 anos, a quem ele amava muito, é forçada a se casar com um homem mais velho. Para os pais dele, o que era uma oportunidade de se “livrar” de mais uma boca para alimentar, para Zain significou o limite do que ele podia suportar.

A jornada de Zain, do momento em que ele decide sair de casa, até o instante em que ele faz a escolha que mudará por completo o curso de sua vida, é o eixo principal de Cafarnaum. No filme, o menino entra em contato com pessoas e com histórias semelhantes à sua, ao mesmo tempo em que vivencia um estranho sentimento de acolhimento, de cuidado e de amor, diante de toda essa confusão que é a existência dele.

Vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Cinema de Cannes 2018 e indicado ao Oscar 2019 de Melhor Filme Estrangeiro, Cafarnaum é um longa intenso e forte, que deixa a gente com um nó na garganta difícil de desatar (mérito de uma atuação visceral do menino Zain Al Rafeea). Mais do que uma história de um garoto que é uma vítima de uma realidade injusta de miséria e de exploração que ele não escolheu viver, de um Estado que não ampara seus habitantes e de pais negligentes; este é o relato de algo que é muito mais comum do que a gente imagina. Existem muitos Zains por aí.

Cafarnaum (Capernaum, 2018)
Direção: Nadine Labaki
Roteiro: Nadine Labaki, Jihad Hojeily e Michelle Keserwany (em colaboração com Georges Khabbaz e Khaled Mouzanar)
Elenco: Zain Al Rafeea, Yordanos Shiferaw, Boluwatife Treasure Bankole, Kawsar Al Haddad, Fadi Yousef, Haitra “Cedra” Izzam

Indicações ao Oscar 2019
Melhor Filme Estrangeiro

Avaliação/Nota

Nota
10

Média Geral



Post Tags

Jornalista e Publicitária


Comentários


Kamila, esse foi o filme que mais me tocou em toda a award season deste ano. Acho um trabalho visceral da Nadine Labaki, que representa nesta obra não apenas a realidade do Líbano, mas de cidades do mundo inteiro. Como você bem apontou, existem muitos Zains por aí… Enfim, é um filme tocante e que tem na performance reveladora desse garotinho uma potência dramática imensa. Acredito que e é um trabalho que ainda vai reverberar comigo por muitos anos.

Responder

Matheus, “Cafarnaum” também me tocou muito. Uma história forte e difícil de engolir, em vários momentos. Fiquei impressionada com o menino que interpretou o Zain, que atuação!

Responder

Se não me engano é o primeiro filme a receber nota máxima aqui no cinéfila por natureza.Ainda não conferi “Cafarnaum”,mas é um dos filmes mais festejados da última temporada de prêmios.

Responder

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.