logo

Resenha Crítica: “Blade Runner 2049”

publicado em:29/10/17 7:51 PM por: Kamila Azevedo Cinema

A trama de Blade Runner 2049, filme dirigido por Denis Villeneuve, se passa trinta anos após os acontecimentos retratados em Blade Runner: O Caçador de Androides, filme de Ridley Scott. Ao contrário do que foi visto no primeiro filme, quando os replicantes eram vistos como uma ameaça ao ser humano e receberam a pena de morte, após serem considerados ilegais na Terra; na continuação, os replicantes voltaram a conviver pacificamente com os humanos, na medida em que foi desenvolvida uma nova espécie mais obediente aos desejos do homem. Apesar disso, a pena de morte que foi aplicada aos replicantes mais evoluídos continua valendo.

O oficial K (Ryan Gosling) – que é um dos replicantes obedientes – começa Blade Runner 2049 com a missão de eliminar um membro de sua própria espécie. Na medida em que ele vai investigando a fundo a cena do crime, um segredo ameaça ser revelado, o que o obriga a ir em busca de Rick Deckard (Harrison Ford), que andava desaparecido há 30 anos.

O que chama a atenção em Blade Runner 2049 é a maneira como a Terra é retratada. Quase como um planeta inóspito, que evoluiu em termos da tecnologia, mas que, ao mesmo tempo, mantém intactas certas ilhas como a Deckard ocupa e que nos mostram, num lampejo, um pouco do que o nosso habitat já foi.

Da mesma forma, o filme apresenta uma visão bem interessante sobre o oficial K. Por mais que não o conheçamos profundamente, as motivações dele ao ir em busca de Deckard, além de pessoais, são fundamentais para que o roteiro escrito por Hampton Fancher e Michael Green desenvolva certas subtramas que encontram eco justamente no clássico que é o primeiro filme dessa série (mesmo que algumas delas sejam muito mal aproveitadas).

Blade Runner 2049 é mais um acerto na filmografia do diretor canadense Denis Villeneuve. O filme tem características estéticas muito marcantes, com destaque para a direção de fotografia de Roger Deakins (com a mistura de cores estouradas e cores mais frias, dependendo dos ambientes em que as cenas acontecem), a trilha sonora de Benjamin Wallfisch e Hans Zimmer, bem como o trabalho desenvolvido pela equipe de som e de efeitos visuais. Sem dúvida, uma continuação que não passa vergonha, quando comparada à obra original.

Blade Runner 2049 (Blade Runner 2049, 2017)
Direção: Denis Villeneuve
Roteiro: Hampton Fancher e Michael Green (com base na história de Hampton Fancher e no livro escrito por Philip K. Dick)
Elenco: Ryan Gosling, Dave Bautista, Robin Wright, Edward James Olmos, Jared Leto, Sylvia Hoeks, Mackenzie Davis, Harrison Ford

Avaliação/Nota

Nota
7.5

Média Geral



A última modificação foi feita em:novembro 23rd, 2017 as 12:11 am


Post Tags

Jornalista e Publicitária


Comentários


Concordo, Kamila, não faz vergonha ao original e só isso já é ótimo diante de alguns remakes ou continuações que vemos por aí, rs. Acabou me surpreendendo positivamente.

Responder

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.