logo

Coringa | Resenha Crítica

publicado em:23/10/19 2:42 PM por: Kamila Azevedo Cinema

Seja na pele de Jack Nicholson ou de Heath Ledger (pra citar somente algumas das atuações mais célebres e icônicas desta personagem), até Coringa, filme dirigido e co-escrito por Todd Phillips, a verdade é que a história deste vilão só nos havia sido apresentada de forma coadjuvante, como um suporte para um relato maior: o do grande heroi da cidade de Gotham, o Batman.

Em Coringa, temos, não só uma história totalmente centrada em Arthur Fleck (Joaquin Phoenix), o homem por trás deste vilão, como também podemos dizer que o roteiro escrito por Todd Phillips e Scott Silver se propõe a fazer um grande estudo de personagem, enfatizando, principalmente, a transformação de um homem aparentemente comum em um sujeito repleto de psicopatia; e fazendo um diagnóstico preciso da sociedade de Gotham City, naquela época, a qual era formada por pessoas tão doentes e tão inseridas dentro de si mesmas, que elas não conseguiam enxergar quem estava ao seu redor e que estes seres também estavam tão doentes quanto elas.

Para o entendimento de Coringa, é importante compreendermos o contexto no qual o filme se passa. Em 1981, Gotham City vivia uma onda de violência e de levantes populares contra os problemas mais graves da cidade – quase num embate entre as camadas mais ricas e as camadas mais pobres da população. Arthur Fleck se insere nesta conjuntura de uma forma quase passiva e observadora.

Seu status muda para vítima quando ele sofre um ataque de violência. A partir deste acontecimento e do recebimento de um “presente” (uma pistola) por um colega de trabalho, Arthur, revestido de coragem, decide, quase que involuntariamente, que é o momento de reagir. É aqui que começa a transformação dele no ser psicótico e doente que é o Coringa.

A mudança de Arthur para Coringa nos é passada de forma magistral pela atuação de Joaquin Phoenix. Por meio de sua performance e, particularmente, de uma cena bastante emblemática (a da dança na escadaria), podemos perceber a fragilidade de Arthur cedendo cada vez mais espaço ao lunatismo; à falta de racionalidade, de empatia e de sentimento que o Coringa possui. É quase como se ele estivesse se sentindo livre pela primeira vez!

Há que se destacar também o trabalho de Todd Phillips como diretor. Com muita sutileza, ele consegue nos mostrar, em paralelo ao que ocorre com Arthur Fleck, como que a sociedade também tem uma parcela de “culpa” no surgimento de um caos como o que o Coringa representa. Como encaramos, como recebemos, como tratamos uma pessoa com sérias doenças mentais? Qual o nosso papel diante das injustiças diárias e o que podemos fazer para evitá-las? São perguntas que Todd Phillips nos incute a refletir durante o seu filme. Quando teremos as respostas a elas? A julgar pelo que assistimos dentro e fora das telas, ainda demoraremos muito para compreender o que fazer – se é que um dia teremos essa compreensão…

Coringa (Joker, 2019)
Direção: Todd Phillips
Roteiro: Todd Phillips e Scott Silver (tendo como base as personagens criadas por Bob Kane, Bill Finger e Jerry Robinson)
Elenco: Joaquin Phoenix, Robert De Niro, Zazie Beetz, Frances Conroy, Brett Cullen, Shea Wigham, Bill Camp

Avaliação/Nota

Nota
9.0

Média Geral



Post Tags

Jornalista e Publicitária


Comentários


é claro que essa magistral atuação do Phoenix é extremamente marcante, mas o Todd Phillips merece mesmo todos os elogios. Acho até surpreendente um filme desse nível feito por um cara que dirigiu uma comédia do tipo Se Beber Não Case.

Responder

brauns, tenho uma máxima: não existe diretor ou ator ruim, existe diretor ou ator sem roteiros bons! rsrsrsrs Todo mundo tem talento e tem capacidade, basta que tenham uma história boa para contar.

Responder

Será um pecado se a AMPAS esnobar Joaquin Phoenix.Digo isso pelo fato dele ser avesso a campanha em temporada de premiações.”Joker” consegui discutir com muito aprofundamento as questões envolvendo saúde mental(vejo ate uma denuncia ao descaso dos governantes,na figura da assistente social) e tem um tom solitário que me lembrou “Táxi Driver”(meu filme favorito).Estou na torcida por Joaquim Phoenix que merece a estatueta.Por que se ele não levar agora,corre o risco da academia nao o reconhecer pelo filme certo,como ocorreu com Edward Norton que merecia por “A Outra História Americana” e sequer foi nomeado por “Clube da Luta” e ” A Última Noite”,e injustamente nunca foi reconhecido com uma estatueta.

Responder

Paulo, não acho que a Academia irá esnobar o Joaquin, até porque ele tem se empenhado na divulgação de “Coringa”, fazendo diversas capas de revistas e dando algumas entrevistas, principalmente nos talk shows americanos. Acredito que ele é o grande favorito para o Oscar 2020 de Melhor Ator.

Responder

Ahh Kamila, gostei do filme, mas acho que ele perdeu uma grande oportunidade no final, ele começa bem revelando como funciona a cabeça desse psicopata, continua quando começa um discurso mostrando-se vitima da sociedade, mas se perde com a entrega a loucura no final.

Responder

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.